domingo, 11 de abril de 2021

WJC: Assista a live que apresentou as regras e os árbitros do World Judo Challenge


Mais uma live com o comando dos organizadores Gil e Kubo. Desta vez foi para apresentar os árbitros e as regras da competição que tem detalhes que deixam o entretenimento do WJC bem interessante. E o público e os lutadores aproveitaram para sanar várias dúvidas!

Clique aqui e assista a gravação live.

Por: ASCOM WJC

Kōgi & Mondō: A história das graduações do judô


Assista no Canal Kōgi & Mondō - Papo de Judô com Luiz Pavani a história das graduações do judô. Mais um vídeo bacana do professor Pavani em seu canal.

Clique aqui e assista!

Por: Canal Kōgi & Mondō

EJU: Campeonato Europeu 2021 - Estimativas para o dia 1


A arena Altice, na costa de Lisboa, Portugal está pronta para receber os atletas europeus que esperam levar para casa o título de 2021 e em menos de uma semana já seremos capazes de nomear cinco após um emocionante primeiro dia de competição. 

-48kg 

Para Daria BILODID (UKR), este será um importante retorno para tentar recuperar seu primeiro lugar após uma luta para retornar ao seu potencial total após a parada inicial do covid-19 para a competição. Desde o Grand Slam de Budapeste, vimos a ascensão de Distria KRASNIQI (KOS), que cimentou esse papel principal, mas um pequeno erro em seu nome permitiu que o título europeu a escapasse e em vez disso fosse para Shirine BOUKLI (FRA), que não irá competir .  

Mais um confronto nacional continua para Julia FIGUEROA e Laura MARTINEZ ABELENDA (ESP), com as duas mulheres classificadas entre as oito primeiras e lutando pelo pódio. 

Distria KRASNIQI (KOS) não ficou satisfeito com o bronze e vai buscar a final.

-60kg 
Na categoria de -60kg, o atual campeão europeu Robert MSHVIDOBADZE (RUS) está deixando para o companheiro de equipe Yago ABULADZE trazer para casa o ouro para a Rússia este ano, já que este último é o cabeça-de-chave. O russo de 23 anos já enfrentou e derrotou sua competição, incluindo vários medalhistas europeus, Francisco GARRIGOS (ESP), mais recentemente no último Campeonato Europeu, bem como Tornike TSJAKADOEA (NED) no evento FIJ World Master este ano. 

Apesar dessas vitórias, há sempre o perigo de pressão que ele certamente estará sentindo como o cabeça-de-chave número um, mas uma ameaça também pode vir do vizinho georgiano, Temur NOZADZE, após sofrer derrota no Grand Slam de Baku 2019. Nozadze mais recentemente roubou o show e a medalha de ouro no Grand Slam de Tbilisi e prata em Tel Aviv. O campeão da categoria peso leve será uma decisão difícil de fazer. 

Temur NOZADZE (GEO) levou o ouro em casa no Grand Slam de Tbilisi. (c) Marina Mayorova

-52kg

Um dos apenas cinco campeonatos europeus que retornam na próxima semana é Odette GIUFFRIDA (ITA). Foi uma vitória emocionante em 2020, depois de um ano difícil com a Itália no epicentro da pandemia por algum tempo e, para finalmente conquistar o título, foi uma grande conquista. A competição é acirrada na categoria de -52kg com Amandine BUCHARD (FRA) como o seed # 1, bem como Ana PEREZ BOX (ESP) e Gili COHEN e Gefen PRIMO em duas posições israelenses. 

No entanto, pode haver algumas dificuldades externas na forma da medalha de prata em 2020 Andreea CHITU (ROU) e companheira de equipe da PEREZ BOX, Estrella LOPEZ SHERIFF, que conquistou a prata na semana passada em Antalya e ficou em terceiro lugar no Campeonato Europeu de 2020. Olhando mais abaixo na lista de entradas, um nome se destaca. Sofia ASVESTA, que conquistou a primeira medalha europeia de juniores no ano passado pelo Chipre, está agora a tentar a sorte na liga sénior. 

Estrella LOPEZ SHERIFF (ESP) é uma ameaça invisível na categoria de -52kg.

-66kg 

A segunda divisão masculina no segundo dia verá um possível confronto direto entre os dois atletas do Azerbaijão que permanecem lado a lado no WRL, Orkhan SAFAROV vai querer manter seu título europeu e liderar no ranking, mas ele não vai estar lutando apenas contra seus oponentes europeus, mas também contra seu amigo Nijat SHIKHALIZADA. 

Campeão da Europa Sub-23 2018, Alberto GAITERO MARTIN (ESP) com certeza deixou sua marca na categoria -66kg, fazendo finais dos Grand Slams de Tel Aviv e Antalya este ano, perdendo o ouro neste último para o ABE Hifumi (JPN). Um título europeu sênior pode estar em jogo para ele este ano. 

Alberto GAITERO MARTIN (ESP) está em busca de seu título europeu sênior que corresponda ao título de Sub-23 de 2018. (c) Emanuele Di Feliciantonio

Claro, nomes como as duas primeiras sementes Vasha MARGVELASHVILI (GEO) e Manuel LOMBARDO (ITA) não vão facilitar. Este último vai se esforçar para ter uma melhor experiência, já que um choque na primeira fase o mandou para casa durante o Campeonato Europeu de Praga.

-57kg

As melhores sementes da Europa na categoria de -57kg estão todas aqui e esperando para provar seu valor na classificação. No topo está Nora GJAKOVA (KOS), um componente incrivelmente forte da equipe de Kosovo e líder das mulheres europeias de até 57kg, seguida de perto por Sarah Leonie CYSIQUE da França. Com o potencial de uma final de confronto direto entre os dois primeiros, não há como prever o resultado com base apenas no histórico, pois há um registro de 1:1. 

No entanto, não podemos fazer suposições finais ainda olhando para o resto da escalação. Telma MONTEIRO está hasteando a bandeira de Portugal, um título em casa seria realmente especial, a medalhista mundial de bronze Julia KOWALCZYK (POL) está em forma de luta, conquistando o bronze no Grand Slam de Antalya e logo atrás estão duas das maiores arremessadoras da categoria; Eteri LIPARTELIANI (GEO) e Daria MEZHETSKAIA (RUS) em # 7 e # 8. As cabeças-de-chave parecem suficientes para um grande torneio, mas não vamos nos esquecer dos altos e baixos, incluindo a italiana Veronica TONIOLO e Silvia PELLITTERI, ambas em busca de uma chance de sénior. 

A campeã mundial Júnior de 2019 Eteri LIPARTELIANI (GEO) pousou sem problemas no circuito sênior, conhecida por suas grandes e poderosas técnicas.

Os grandes torneios estão sempre lançando surpresas em nosso caminho e mal podemos esperar para ver quem fará as atuações surpreendentes no primeiro dia do Campeonato Europeu Sênior de 2021. 

Autor: Thea Cowen - EJU


Eleições FPJ: Chapa Renova Judô realizará reunião aberta para debate das propostas


A chapa Renova Judô convida todos os interessados para participar da reunião aberta para debater ideias e propostas para a gestão do judô de São Paulo.

A reunião acontecerá na próxima quinta-feira, 15 de abril, a partir das 20h, na plataforma Zoom.

Conheça a proposta da chapa, tire dúvidas e fique à vontade para expor sugestões. Será uma reunião para falar sobre o judô e tudo o que for importante para agregar e melhorar a gestão da modalidade no estado de São Paulo.

Serviço:
Reunião Aberta - Debate das Propostas do RenovaJudô
Data: 15 de abril - Quinta-feira
Horário: 20h
Local: Plataforma Zoom
https://zoom.us/j/92266428267?pwd=UlBYU2hnY1Zjd25wWmNZaHYxdk9qdz09
Meeting ID: 922 6642 8267
Passcode: 708712

Por: ASCOM RenovaJudô

FIJ: Além do medo, sem pára-quedas

FIJ e delegação da federação turca de judô após a segunda sessão de judô

Desde 2015 a Federação Internacional de Judô, em parceria com a Federação Turca de Judô, tem desenvolvido um vasto programa com o objetivo de apoiar a população de refugiados que fugiu do conflito na Síria. Todos os anos, na sequência do Grand Slam de Antalya, uma delegação visita a região de Kilis, a fim de ajudar as organizações desportivas locais no seu processo de ajuda. Este ano Leandra Freitas da Comissão de Judô para Crianças da FIJ e Nicolas Messner, Diretor de Judô para a Paz da FIJ, fizeram a viagem. Eles nos dão suas impressões de uma experiência que permanecerá profundamente enraizada em suas mentes. É importante destacar que, pela primeira vez, uma delegação esportiva internacional teve a oportunidade de cruzar a fronteira e praticar judô na Síria.

Leandra disse, logo depois de voltar da região da fronteira: “Na noite anterior à nossa viagem para a Síria, quase não consegui dormir. Eu estava excitada, nervosa, assustada, tremendo. Até passou pela minha cabeça que eu poderia não voltar para casa para ver aqueles que amo. Eu não sabia se os abraçaria de novo! Isso é o que eu realmente senti durante aquela noite. ”

Somos bombardeados com imagens na grande mídia, que obscurecem qualquer julgamento que possamos desejar fazer com objetividade. Temos expectativas pré-posicionadas, mas o que sempre falta é a visão de 360 ​​graus dos indivíduos, cada um com sua compreensão única do que é ser humano. 

“Depois que voltamos, posso dizer que vi, com meus próprios olhos, a guerra, o sofrimento, as feridas, as cicatrizes, os olhares vazios como se não houvesse mais alma naqueles corpos”.

A estrada está pontilhada de postos de controle

Para Nicolas, veio com um vívido devaneio: "Antes de cruzar a fronteira, tive a sensação de saltar de um avião sem pára-quedas, talvez com um cara me empurrando para fora da cabine e gritando comigo 'Não incomode meu amigo , haverá alguém a caminho para lhe passar um! ' 

Durante todo o dia 5 de abril, afundamos no que as pessoas chamam de 'território inimigo'. É um mal-entendido porque não é o território que é o inimigo, mas o que algumas pessoas fazem dentro dele. A grande maioria dos moradores da região não pedia nada e principalmente isso. Eles apenas desejavam viver, quando agora estão tentando sobreviver. A diferença é enorme. "

Nicolas viajou para muitas regiões desafiadoras, em todo o mundo e é adepto de compreender cada novo ambiente e cada novo conjunto de costumes e ameaças potenciais. A Síria é diferente. 


As forças armadas estão em toda parte

“Nos últimos anos, estive em Kilis várias vezes, em média uma vez por ano desde 2016. Tive a oportunidade de me aproximar da fronteira. Porém, o que havia do outro lado eu só podia imaginar, quase fantasiar, e comecei a me perguntar se realmente havia algo além do arame farpado. Eu tinha visto, em uma noite clara, a luz dos bombardeios acima do horizonte. Eu tinha ouvido os aviões bombardeiros mais do que os tinha observado. Eu tinha ouvido as explosões de foguetes disparados contra Kilis, mas de repente tudo estava se tornando real e metro após metro eu estava sobrepondo palavras e imagens no topo de minhas suposições. Os primeiros quilômetros são uma espécie de sanduíche lúgubre entre fileiras de cercas e arame farpado, pontilhados de postos de controle, nos quais se esconde um enxame de soldados armados até os dentes. Em ambos os lados desse corredor, não há nada. É uma terra de ninguém onde a vida é negada. Nesta estrada entre dois mundos circulam alguns veículos autorizados, como o nosso. Passeios de silhuetas, cujos destinos permanecem um mistério. Quando a última barreira se aproxima, a Síria o atinge pela garganta. "

Uma rica e desafiadora gama de emoções acompanhou Leandra e Nicolas ao longo do dia. O estresse é uma resposta compreensível, tanto mental quanto fisiológica, mas também havia empolgação e a necessidade de administrar o paradoxo de sentir a verdadeira felicidade quando o riso e a alegria das crianças se divertindo no tatame enchiam o ambiente. Estar em um lugar tão desolado e assustador, onde a ausência de humanidade é barulhenta e constante, não deve dar lugar ao que pode parecer uma felicidade trivial, mas é o que acontece quando um vislumbre de humanidade reaparece, seja encorajado por judô ou por outros meios. 

6 de abril (Dia Internacional do Esporte para o Desenvolvimento e a Paz) foi comemorado na Síria com dezenas de crianças felizes

Muitas perguntas passaram pela cabeça de Leandra: "Ser mulher trouxe ainda mais perguntas à minha mente. Aí, pela manhã, a população local nos disse que era hora de irmos, em uma grande van com vidros escuros. Uma patrulha armada nos acompanhou no caminho para a Síria. Fomos informados de que nossa van não poderia e não seria parada até seu destino final. Quando chegamos ao dojo e eu entrei, vi todas aquelas crianças com judogi esperando por nós e eu só queria pular o tatame e ensinar, brincar com eles, dar-lhes tempo para sorrir e mostrar que são importantes, tão importantes quanto qualquer ser humano no planeta!

Olhares tímidos e curiosos apareceram em todos os rostos. Quando o treinador pediu às crianças que mostrassem as técnicas que conheciam, Nico e eu ficamos surpresos. Que forma de corpo incrível; alguns eram tão pequenos, mas já conseguiam realizar tai-otoshi melhor do que eu. Eles queriam nos impressionar e fizeram! "

Nicolas Messner e Leandra Freitas juntamente com o treinador de judô da Mare 
(2ª Sessão de Judô)

Dez anos atrás, antes do início da guerra, esta zona rural da Síria sem dúvida se parecia com qualquer zona rural do Oriente Médio, com o vento dançando entre oliveiras e amendoeiras, mas depois de uma década de guerra, centenas de milhares de refugiados embutiram suas sombras aqui e agora vivem em acampamentos improvisados. Cordas de tendas imundas estão espalhadas ao longo da estrada. Também há centenas de residentes com deficiência e Leandra e Nicolas puderam ver o andar mancando de alguns deles, sem como dar apoio ou esperança. 

Após a primeira sessão de judô, a delegação continuou com sua programação e Nicolas foi confrontado com algumas questões desafiadoras, "Percebi que a ansiedade não havia realmente me deixado, mas que se transformou em aceitação e só diminuiu gradualmente com o desenvolvimento da confiança em nosso anfitriões. É uma confiança necessariamente frágil em uma paisagem onde muitos valores foram pisoteados e esmagados por bombas. Nesta imagem escura que continuou a se formar diante de mim, sem pausa ou trégua, o único vislumbre de esperança que pude encontrar foi a distração temporária de ver crianças cujos traumas estão gravados na pele, finalmente serem crianças de novo e poderem se comportar como tais: hora de uma sessão de judô. Por preciosos minutos eles poderiam esquecer onde estavam e pelo que passaram, para se concentrar na alegria de estar juntos e compartilhar uma normalidade passageira e a emoção que vem com coisas novas, novas pessoas, novas experiências. "


Não é irracional aceitar que a maioria de nós não consegue se identificar com a realidade que as pessoas de regiões devastadas pela guerra têm de suportar. Estamos separados, protegidos pelas redes sociais, pela nossa própria vida e pela falta de vontade de sentir tudo o que vem com o conhecimento do que essas pessoas vivem e morrem. Permitir-nos vê-lo em todo o seu horror tecnicolor é nos tornarmos vulneráveis ​​e colocar nossa própria estabilidade em risco. Mas às vezes devemos e às vezes temos que refletir sobre isso o suficiente para saber que sempre que tivermos a chance, devemos fazer todos os esforços para fazer a coisa certa e nos comportar da maneira mais humana possível. 

Leandra explica: “Estamos falando de crianças e adultos que estão vivendo a guerra, bombas caindo sobre eles em casa, tiros matando suas famílias; violência em vez de educação era o que eles tinham. Como eles não fogem, mas também, como podem? Você consegue se imaginar dando as costas, deixando para trás tudo o que construiu? Essas pessoas fizeram isso e foi isso ou uma morte provável. 

Então começamos a aula de judô e foi incrível. Por mais de uma hora vimos crianças e treinadores no tatame, se divertindo e todos com fome de aprender. Pais animados, adultos na beira do tatame, todos superconcentrados e sorridentes, descobrir o que estava acontecendo no dojo foi muito legal. Até mesmo nossos seguranças com armas grandes ficaram fascinados. Inclusão, igualdade de gênero, paz, respeito, amizade, tudo isso estava presente e visível, até tangível. Se alguma vez houve um grupo de pessoas que sentiu o poder e o peso da frase 'judô, mais do que esporte', foi lá na Síria ”.

As emoções foram levadas ao limite. É difícil compreender o quão profundamente afetados podemos ser, como cidadãos europeus à vontade, quando não estamos acostumados à extrema mentalidade de sobrevivência das pessoas sob tais pressões. 


Entrada do segundo dojo que visitamos

“No caminho para o segundo dojo, ficamos muito emocionados, ao tentarmos processar a pobreza, a fome, o vazio. Foi isso que vi nos rostos das pessoas, pois viviam com sua população de refugiados aumentando de 40.000 para 700.000 pessoas , por causa da guerra. Até os rostos dos oficiais e seguranças pareciam cansados. 


Pensando no segundo dojo, nem sei se pode ser chamado de prédio ou mesmo de sala, mas para aquelas crianças e seu professor de judô era tudo. É um espaço designado para definir metas, para se aperfeiçoar, para fugir do exterior por algumas horas. É uma esperança, um propósito e um programa com o qual construir um andaime de parte de suas vidas. ”

Para Nicolas, é certo que vir fazer judô aqui, nesta parte perdida e esquecida do mundo, pode parecer surpreendente, mas uma das tantas coisas que todo o povo sírio precisa é de leveza, momentos de jovialidade sem preocupações. “Durante duas sessões de judô, eles colocaram o judogi, o mesmo que permite a todos nós ultrapassar os limites e abrir tantas portas. Com isso, compartilhamos um momento de pura felicidade com dezenas de jovens judocas, mas também com seus pais e professores. O suor que se acumulou na testa foi o mais belo dos presentes, pois não foi a resposta ao estresse ou ao medo, mas sim o produto de muito trabalho, motivação, partilha e paz. Isso é incomum aqui e é especial.

É preciso ter visto o que está acontecendo daquele lado da fronteira, é preciso ter sentido todos os traumas, induzidos por anos de barbárie, para entender até que ponto o esporte é tão importante, se não queremos que o mundo cair na escuridão. "

As condições de vida continuam muito complicadas para milhares de pessoas

Leandra concordou em todos os níveis, "Eles ficaram tão felizes quando entramos no segundo dojo. Quase não tínhamos um lugar para nos mover porque era tão pequeno e na porta todos estavam empurrando para ver o que estava acontecendo. Eu só fiquei parada lá, no meio deles e a gente fazia judô juntos. Me fez acreditar que há esperança e o judô está pelo menos trazendo um pouco de paz de espírito e um pouco de alegria para as pessoas que são como eu, mas pelas circunstâncias de guerra!"

A hora de partir chegou muito rápido. Ficou bem claro para a delegação que eles precisavam deixar a Síria antes do meio da tarde, porque depois desse horário a área sempre fica mais perigosa. 

Leandra contou mais: “No caminho de volta eu estava tão cansada, mas ainda olhando pelas janelas e me perguntando por que eles não podem ter as mesmas chances que eu tive. Por que essas crianças não podem ter educação e sonhos? Acredito que podemos fazer muito mais! Você sabe, quando uma mulher carrega seu bebê por 9 meses e então a família tem que ensinar a criança e mostrar o mundo a ela, de alguma forma parece que temos que fazer isso aqui. Acredito que com o povo sírio aconteça o mesmo. Precisamos carregá-los e mostrar-lhes novamente como o mundo pode ser lindo se, por um tempo, cuidarmos deles e cuidarmos de uma reconstrução. É idealista, mas é como me sinto depois de estar aqui. Devemos estar todos juntos, unidos na causa para construir uma sociedade melhor e incluir as pessoas que foram tão duramente atingidas por esta guerra. 


Para Nicolas, a conclusão foi quase a mesma: “Compartilhamos tantos momentos incríveis compartilhados com as pessoas aqui. Vou levar dias para digerir tudo e localizar meu 'pára-quedas'. Em questão de horas, conseguimos cultivar a confiança, instilá-la, deixando apenas os aspectos positivos da visita. Não é esta estadia que vai resolver os problemas que estão além de nós completamente, mas temos falado de esperança e felicidade. e aqui isso está além do que poderíamos esperar ou imaginar. Apesar da expectativa, encontramos alguns e criamos mais. ”

Junto com Leandra e Nicolas estiveram representantes da Federação Turca de Judô e das autoridades locais de Kilis. Nos próximos anos, haverá muito trabalho a ser feito para trazer mais alegria e mais esperança e restaurar a fé nos valores de uma condição humana mais justa. O judô, embora possa não ser a resposta, é sem dúvida uma contribuição valiosa e que deixa uma marca duradoura de positividade. Isso é algo para se orgulhar. 

Por: Nicolas Messner, Jo Crowley e Leandra Freitas - Federação Internacional de Judô
Fotos: Nicolas Messner


WJC: Hoje tem live de apresentação das regras e árbitros!


Você já imaginou uma luta de Judô em que o Ippon não define mais o combate?

No WJC isso é possível!

As regras da competição deverão obedecer a características específicas, o que vai oferecer um show de entretenimento para o público com o objetivo de tornar os duelos ainda mais dinâmicos e emocionantes. Isso é o World Judô Challenge, judô entretenimento da forma como você nunca viu.

Então, se você ainda tem dúvidas em relação as regras e ao regulamento do mais novo espetáculo do Judô, nós preparamos um evento especial!

Hoje, 11/04às 20h, nós faremos uma LIVE ESPECIAL no Instagram para apresentar todos os árbitros do evento e como serão as regras!

As próximas lives estão programadas também. Se liga nas datas.

15/04 - 20h - Live de apresentação da equipe WJC com surpresa olímpica
20/04 - 20h - Live com convidados especiais para falar do #WJC1

Por: ASCOM WJC

Rustam Orujov e Frank de Wit cancelam participação no Europeu 2021

Rustam Orujov e Frank de Wit

Dois atletas de ponta não vão participar no Campeonato da Europa em Lisboa na próxima semana. Ambos os lutadores anunciaram sua ausência devido a um teste COVID-19 positivo. O holandês Frank de Wit e Rustam Orujov, do Azerbaijão, comunicaram sua ausência nas redes sociais.

Orujov: “Gostaria de informar que, há cerca de 20 dias, testei positivo para Covid. É por isso que não vou participar no próximo Campeonato da Europa em Portugal. Já estou bem e me preparando para o Mundial, onde vou levar uma medalha! Tudo vai ficar ótimo! Mal posso esperar para te ver na próxima competição! ”

De Wit: “Infelizmente, não poderei participar no Campeonato da Europa em Portugal na próxima semana porque não recuperei totalmente da minha recente infecção por COVID que apanhei durante o estágio na Geórgia. Vou me concentrar totalmente na Copa do Mundo (9 de junho) e, claro, nos Jogos Olímpicos de Tóquio ”

Claramente, o evento de propagação do Campo de Treinamento em Tbilisi fez um grande número de vítimas do judô, um evento com muitas consequências.


sábado, 10 de abril de 2021

WJC: O que esperar deste Card? Fogo no tatami?

 

Tá na hora de filosofia de vida no WJC! 

E aí? Concorda com a frase do Erick ou prefere a frase do Rampage?

Já está ansioso pelo dia 8 de maio? 

Essa luta promete!

E amanhã, 11/04, às 20h, tem LIVE para apresentar as regras e os árbitros que atuarão no evento.

Por: ASCOM WJC


Judoca belga Gabriella Willems não participará dos Jogos Olímpicos após lesão no joelho


A judoca Gabriella Willems não participará dos Jogos Olímpicos depois de sofrer uma grave lesão no joelho. Willems, de 23 anos, foi retirada do tatame em Antalya em sua luta contra Barbara Matic. O diagnóstico foi difícil: Willems rompeu os ligamentos e, portanto, perderá os Jogos Olímpicos.

Willems (FIJ-24) estava perto de se classificar para Tóquio e começou o Grand Slam de Antalya forte em sua categoria 70kg. A tragédia aconteceu nas oitavas de final, quando ela tentou evitar um ataque de Matic com um movimento de torção.

A conclusão foi difícil de enfrentar e Willems rompeu seus ligamentos. Ela precisará se recuperar pelo resto da temporada e não poderá competir nas Olimpíadas de Tóquio. Mais um golpe na categoria U70kg onde se aposentaram Sally Conway e Yuri Alvear, além da colega belga Roxane Taeymans, ainda na posição 43 da lista. Muitas posições são duplas com vários atletas de um país, enquanto apenas um atleta por país pode se qualificar. França, Holanda, Alemanha têm todas as mulheres lutando por uma posição em Tóquio.

Willems ainda não tinha certeza das Olimpíadas, mas com sua classificação, a alta belga poderia ter sido elegível para defender suas chances no Japão. Ela também começou bem a temporada com um quinto lugar no Grand Slam de Tel Aviv e uma medalha de bronze no Grand Slam de Tbilisi. No ano passado, ela chegou à final do Grand Slam em Düsseldorf. A tricampeã belga agradeceu a todos por todos os votos de felicidades em suas redes sociais.


Franchicken Vinhedo: A pedida do fim de semana!

No almoço e no jantar!

Baldes com com opções de cortes mistos de frango, tulipa de frango, coxinha de frango, coxa e sobrecoxa e isca de filé de frango.

Porções de costelinha de porco, medalhão de frango, batata simples, batata com queijo, batata rústica com e sem queijo, polenta com e sem queijo e anéis de cebola.

Além de molhos especiais e deliciosas sobremesas

E os baldes e porções são generosos!

Passando por Vinhedo, não deixe de visitar a loja, que trabalha com sistema de delivery e take out.

A Franchicken faz parte de equipe de sponsors do boletim OSOTOGARI.

Serviço:

Franchicken Vinhedo

☎
(19) 3826-2244 |
📱
(19) 99198-5298
📍
Avenida Brasil nº 440 - Jd Brasil, Vinhedo - SP

Por: Boletim OSOTOGARI






sexta-feira, 9 de abril de 2021

EJU: Campeões europeus ansiosos para manter seus títulos


Estamos oficialmente na contagem regressiva da semana para o sorteio do Campeonato Europeu de Judô 2021 em Lisboa, Portugal. A Covid-19 adiou a edição de 2020, que foi realizada em novembro em Praga, na República Tcheca, de modo que nossos campeões que retornaram ainda nem conseguiram seus títulos por um ano inteiro. Eles serão capazes de continuar seu reinado? 

A maioria dos nossos atuais campeões está ausente do alinhamento, talvez com os eventos do Grand Slam e o Campeonato Mundial quase à nossa porta, não é surpreendente. Aqueles que ficaremos sem são; Shirine BOUKLI (FRA) -48kg, KARAKAS Hedvig (HUN) -57kg, Clarisse AGBEGNENOU (FRA) -63kg, Madeleine MALONGA (FRA) -78kg, Romane DICKO (FRA), Robert MSHVIDOBADZE (RUS) -60Ug, Victor STERPDA ) -73kg, Tato GRIGALASHVILI (GEO) -81kg e Tamerlan BASHAEV (RUS) + 100kg. 

Em primeiro lugar, voltando a apostar na categoria de -52kg está Odette GIUFFRIDA (ITA). Ela chega como a semente número dois na próxima semana e com uma boa chance de garantir uma medalha, senão outro título, com a probabilidade de que ela encontre Amandine BUCHARD (FRA) para um final exaustivo se ambas as sementes principais dominarem suas metades.

Odette GIUFFRIDA (ITA).

Não estamos olhando tanto para uma batalha continental na faixa de -70kg, mas uma infeliz batalha totalmente francesa entre a atual campeã mundial Marie Eve GAHIE e a atual campeã europeia Margaux PINOT. Classificadas em primeiro e segundo lugar no ranking mundial respectivamente, a luta pela vaga olímpica não poderia ser mais próxima ou tão trágica neste caso. Ambas tiveram desempenhos extraordinários neste período de qualificação, provando que qualquer uma delas poderá ocupar o lugar dos Jogos de Tóquio, e com a maioria da equipe já selecionada, aguardamos para ver qual destas mulheres sairá por cima em Lisboa. 

Margaux PINOT (FRA).

Para os homens, é mais um pescoço a pescoço para um único país, mas desta vez é o Azerbaijão. Na categoria de -66kg, Orkhan SAFAROV assumiu seu lugar no topo do pódio no Campeonato Europeu de 2020 e garantiu seu lugar em # 20 no WRL, mas logo atrás está seu companheiro de equipe Nijat SHIKHALIZADA em # 21 com este último pegando importante pontos no Grand Slam de Antalya, levando o bronze. Sem as surpresas habituais, a sementeira costuma contar muito e Safarov levou o seu companheiro de equipa ao poste, assumindo a posição final na sementeira em Lisboa, mas será o suficiente? 

Orkhan Safarov (AZE).

Após grande sucesso no Grand Slam de Budapeste e no Campeonato Europeu, Mikhail IGOLNIKOV (RUS) parecia estar de volta ao topo da categoria de -90kg com algumas performances surpreendentes. No entanto, parecia haver um problema no FIJ World Masters, já que ele não conseguia continuar e desistiu de sua disputa pela medalha de bronze, talvez para evitar mais lesões. Ele certamente fez falta nos eventos recentes do Grand Slam, mas a categoria -90kg tem todos menos um dos oito primeiros competindo, então temos um espetáculo garantido.   

Mikhail IGOLNIKOV (RUS).

Por fim, Peter PALTCHIK (ISR) é o último dos nossos atuais detentores do título europeu a competir em Lisboa, sem dúvida esperando adicionar outra medalha de ouro à sua coleção, mas não será fácil. Há uma competição muito forte na forma de Varlam LIPARTELIANI (GEO) e o atual campeão mundial Jorge FONSECA (POR), mas olhando ainda mais para baixo na lista de inscritos, há alguns rostos novos emergindo em cena que estão causando preocupação incluindo Ilia SULAMINADZE (GEO), que recentemente conquistou o bronze no Grand Slam de Tel Aviv e depois a prata em casa em Tbilisi. 

Peter PALTCHIK (ISR).

Não haverá corridas fáceis para os nossos campeões que retornam e nove categorias já podem garantir um novo rosto levando para casa o ouro. Com a emoção crescendo em torno do auge do calendário da EJU, só podemos fazer previsões e desejar a todos os atletas boa sorte. 

Autor: Thea Cowen

Kimonos Shihan: Conheça a Série Kids

 

A Kimonos Shihan possui em sua linha de produtos a série Kids, para judocas de 1 a 12 anos.

O kimono para judô Série Kids, confeccionado em tecido 100% algodão é pré-encolhido e recomendado não usar secadora após as lavagens!

Para os tamanhos M0000 a M1 a calça é com elástico.
Para os tamanhos M2 e M3 a calça é sem elástico mas com cordão e passante. 
Para todos os tamanhos acompanha a faixa simples branca.

A Shihan Kimonos/InterSports faz parte da equipe de sponsors do boletim OSOTOGARI.

Kimonos Shihan, a marca da conquista!

Por: boletim OSOTOGARI




FIJ: Equipes mistas dos campeonatos da Ásia e da Oceania


Seis equipes lutaram pelo título de 'Campeão de equipes mistas' hoje em Bishkek. Coreia, Uzbequistão, Turcomenistão, China, Cazaquistão e Quirguistão foram cada um representado por 6 judocas, 3 homens e 3 mulheres, cada um colocando seu coração em seu desempenho, não apenas para vencer partidas individuais, mas para contribuir para o desempenho geral da equipe.

Na primeira partida do dia, o Uzbequistão enfrentou o Turcomenistão. O placar final foi 4: 0, com a equipe uzbeque vencendo o Turcomenistão com apenas pontuações ippon na súmula. A luta mais espetacular dessa rodada foi nos + 90kg, onde Shokhrukh Bakhtiyorov (UZB) venceu Yashyuzak Ashirov (TKM) em apenas 9 segundos.

No confronto seguinte, o time do Cazaquistão se encontrou com os favoritos do país e, apesar dos torcedores locais de judô torcendo por um resultado diferente, o placar final foi de 4: 1, a favor do Cazaquistão, que seguiu para as semifinais, para enfrentar o time China. 

As semifinais foram difíceis e todas as quatro equipes foram fortes, mas com apenas duas vagas na rodada final, o resultado precisava ser claro. 

Entre a Coreia e o Uzbequistão, ocorreu uma série de confrontos explosivos de alto nível, mas no final foi a Coreia que chegou à final, derrotando o time do Uzbequistão por 4: 1. O segundo finalista foi o Cazaquistão, que venceu a seleção chinesa por apenas 1 ponto. 

As medalhas de bronze foram para a China e o Uzbequistão, após vitórias contra o Turcomenistão e Quirguistão, respectivamente.

Gulnoza Matniyozova (UZB) realiza uchi-mata na disputa pela medalha de bronze contra o time do Quirguistão

A última partida por equipes do dia foi intensa, com as infames técnicas de arremesso não ortodoxas e de agarramento da equipe coreana, em confronto com o dinamismo e a estratégia muitas vezes surpreendente do judoca cazaque. No papel, depois da competição individual, a seleção coreana parecia ser a mais forte das duas, mas a forma nem sempre dita os resultados e uma final emocionante aconteceu. 

Após as primeiras 4 disputas, o placar estava empatado em 2: 2, mas então a equipe coreana conquistou as duas vitórias seguintes para garantir que fosse campeã de equipes mistas. 

Time da Coreia comemorando a vitória

Resultados finais:
1. Time da Coreia
2. Equipe do Cazaquistão
3. Equipe da China
3. Equipe do Uzbequistão
5. Equipe do Turcomenistão
5. Equipe do Quirguistão

Pódio de equipe mista

O evento correu bem e produziu um judô apaixonado, mostrando o quanto o judoca poderia investir na luta por seus países. 

Foto: Ugriumova Natalia
Por: Jakhongir Toshpulatov e Jo Crowley - Federação Internacional de Judô

Silvio Acácio Borges celebra posse como presidente para o mandato 2021-2025 à frente da CBJ


Após vencer as Eleições com apoio da grande maioria do colégio eleitoral, Silvio Acácio Borges tomou posse no dia 31 de março como presidente da Confederação Brasileira de Judô ao lado de seus três vices-presidentes, Danys Queiroz, José Nilson e Seloí Totti, para o mandato que começa em 2021 e vai até 2025. Nesta quinta-feira, 08, foi realizada de forma remota por vídeochamada uma cerimônia simbólica de posse, reunindo as autoridades eleitas, presidentes de federações, gestores, coordenadores e colaboradores da CBJ. 

Silvio, Danys, Nilson e Seloí dirigiram a CBJ nos últimos quatro anos e terão a oportunidade de dar continuidade ao trabalho visando agora ao ciclo para Paris 2024. Eles formaram a chapa TER - Transparência, Ética e Responsabilidade, que venceu as eleições no dia 06 de março deste ano com 179 votos, contra 42 da chapa Resgate à União do Judô.  

Na solenidade desta quinta, o indicado para conduzir a reunião foi o presidente da Federação Espiritossantense  de Judô, Marcio Almeida, que, em seu discurso, evidenciou a lisura do processo eleitoral e o significado da vitória da chapa eleita com grande apoio dos eleitores.  

“As eleições respeitaram todos os princípios democráticos. Tivemos oposição, tivemos debate. E teve em seu resultado a representativa vitória da chapa liderada pelo presidente Silvio Acácio com o merecido reconhecimento do trabalho realizado. Quando se tem uma vitória por 80% dos votos significa que o trabalho foi aprovado. Mas, também significa que a diretoria eleita, por gozar de tanta confiança de todos nós, tem uma responsabilidade muito grande para o próximo mandato frente à Confederação Brasileira de Judô”, pontuou Almeida. 

Em seguida, como presidente já empossado, Silvio Acácio ratificou sua gratidão pelo amplo apoio de presidentes de federações, clubes e atletas que formaram o colégio eleitoral e ressaltou os pilares da Transparência, da Ética e da Responsabilidade que guiarão a gestão da CBJ neste mandato.  

“A gente conclama a todos os membros da grande família do judô do Brasil a trabalharmos em busca de uma unidade, na busca de responsabilidade com aquilo que nós temos em relação à nossa modalidade. Me resta, em palavras, agradecer, em nome dessa diretoria, pela confiança, pela clareza com que nós conseguimos imprimir nessa campanha, onde fomos atacados e tivemos aquela sabedoria do judô de ceder para vencer. Venceu a responsabilidade, e acima de tudo, venceu a ética. Vamos seguir buscando novos caminhos para seguirmos autenticando a nossa modalidade, que tem como princípio o respeito. E asseguro que, todos os segmentos do judô, desde o professor que está lá na formação, ao iniciante em sua mais tenra idade, têm, sim, na CBJ, sua casa”, afirmou Silvio Acácio.  

Conselho de Administração e Conselho de Ética  

A solenidade também celebrou a posse dos membros do Conselho de Administração e de Ética, órgãos fundamentais para melhorar a governança da entidade e que foram instituídos durante o primeiro mandato de Silvio Acácio.  

Para o quadriênio 2021-2025, o Conselho de Administração terá como membros independentes Luiz Carlos Rocha, Pedro de Lamare e Fabio Rodrigues Fleischauer; José Ovídio (FJMS) e Marcelo Ornelas (FEBAJU), como representantes das Federações; e Victor Penalber, como representante dos atletas. Completam o Conselho o presidente e os três vices da CBJ.  

Já o Conselho de Ética será formado por Raphael Americano Câmara, Gustavo Jaenisch Cação, Adriana da Costa Ricardo Schier, Alamiro Velludo Salvador Netto e Mario Viola Azevedo Cunha.  

Por: Assessoria de Imprensa da CBJ


quinta-feira, 8 de abril de 2021

Homenagem a Telma Monteiro contará com a presença do Presidente de Portugal


Telma Monteiro vai ser homenageada no segundo dia do judô europeu, em Lisboa, sábado, 17 de abril, numa cerimónia com a presença do Presidente da República e em que a judoca será distinguida pelo Governo.

“Vamos homenagear Telma Monteiro no sábado, antes do bloco final, com a presença do Presidente da República confirmada”, revelou o presidente da Federação Portuguesa de Judô, Jorge Fernandes.
 
A ideia de homenagear Telma Monteiro, a melhor judoca portuguesa de todos os tempos, não é nova, tal como foi definida em abril de 2019, quando a organização europeia foi enviada para Lisboa.

Na cerimónia, no Altice Arena, Telma receberá também uma “medalha de mérito” atribuída pelo Governo, disse Jorge Fernandes, elogiando o judoca, que considera “um dos melhores atletas do Mundo.


Na homenagem, será exibido um vídeo que ilustrará momentos da carreira de Telma Monteiro, 35, que foi medalhista de bronze nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro em 2016, e tem vários pódios em europeus, mundiais, Masters e outros top eventos de nível.

Da parte do Governo, Jorge Fernandes disse que também foram confirmadas as presenças do ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, e do secretário de Estado da Juventude e Desportos, João Paulo Rebelo.
 
Ao lado de Telma deve estar Ana Monteiro, ex-judoca internacional aposentada que há mais de 20 anos convenceu e trouxe a irmã mais nova, Telma, para treinar no clube de judô Almada das Construcciones Norte y Sul.

O Campeonato Europeu de Judô decorrerá entre os dias 16 e 18 de abril na capital portuguesa, mais concretamente na Altice Arena, numa prova em que Portugal terá 18 atletas em prova, entre os quais Telma Monteiro, em busca da sua 15ª medalha no XV Campeonato Europeu.

Telma ganhou medalhas em todos os europeus desde 2004, cinco das quais são campeãs europeias, duas de prata e sete de bronze.

Foto: Robert Ghement-Epa

CBDV: Dia Nacional do Braille reforça como é importante a alfabetização dos cegos


Dentro das quadras de goalball, o pivô José Roberto já conheceu a sensação de conquistar medalhas paralímpicas, títulos mundiais e diversos outros campeonatos. Fora delas, o paraibano de Lagoa Seca conseguiu chegar à universidade utilizando o mesmo sentido que o guia durante as partidas: o tato. Foi pela leitura das mãos que ele se alfabetizou e, hoje, dá aulas de História.

Neste 8 de abril, quando é comemorado o Dia Nacional do Braille, histórias como a do atleta da Seleção Brasileira dão ainda mais relevância ao sistema de escrita e leitura tátil para as pessoas cegas inventado pelo francês Louis Braille, em 1824.

"Foi por meio do Braille que fui alfabetizado, estudei toda a minha vida, apesar de o acesso não ser amplo. Sou professor e quase não encontrava material sobre o meu curso em Braille. Mas fez uma diferença enorme na minha vida", diz Zé Roberto, de 40 anos.

Ele e diversos atletas das Seleções Brasileiras geridas pela Confederação Brasileira de Desportos de Deficientes Visuais (CBDV) conseguem circular pelo Centro de Treinamento Paralímpico, em São Paulo, com muito mais autonomia. Isto porque toda a comunicação de placas e objetos do local é acessível, com os pontinhos em relevo sobre letras e números.

"É superimportante o uso e conhecimento do Braille, pois foi o primeiro método que conseguiram inventar para inserir a pessoa com deficiência visual na sociedade, nos estudos, no trabalho", confirma Leomon Moreno, colega de Zé Roberto no time masculino de goalball do Brasil.

Como funciona o Braille?

O sistema possui uma estrutura em relevo, formada por seis pontos verticais divididos em duas colunas de três pontos em cada. A diferente disposição desses seis pontos permite a formação de 63 combinações ou símbolos. A leitura é tátil, feita da esquerda para a direita. Pose-se optar tanto por utilizar uma ou ambas as mãos, de acordo com a forma que se adaptar melhor. Além disso, existem três diferentes graduações, sendo o Braille grau 1 aquele em que a palavra é escrita por extenso, letra a letra. Os graus 2 e 3 utilizam formas abreviadas que requerem maior domínio por parte do leitor cego.


#Acessibilidade: placa contendo o alfabeto Braille dividido em três linhas, sendo a primeira das letras A-J, a segunda, das letras K-T, e a última, das letras U-Z.

No Brasil, o Instituto Benjamin Constant (IBC), localizado no Rio, foi o pioneiro no ensino do Braille e é referência até hoje. "A alfabetização traz à pessoa cega maior independência, autoestima, melhor noção espacial. Ela se percebe melhor como parte da sociedade", diz Maria Luzia do Livramento, que é professora por lá desde 2010.

Malu, como é conhecida no IBC, sabe bem da importância desse conhecimento. Ela mesma deixou Pernambuco quando criança para estudar no Instituto. E lamenta que o Braille não seja tão difundido quanto deveria no país: "Hoje em dia, a tecnologia, da qual sou muito fã, reforçou em algumas pessoas cegas que a alfabetização no Sistema Braille não é mais importante. Eu digo que a tecnologia é muito importante, mas caminha paralela ao Braille. Aliás, é por causa do Braille que nós, alfabetizados, estamos hoje tendo acesso a essa tecnologia", conclui.

Por: Comunicação CBDV - Renan Cacioli

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Pesquisa personalizada