sábado, 16 de janeiro de 2021

Vem aí o IV Desafio Internacional Judô Veteranos

 

Judocas veteranos de todo o Brasil e também do exterior estão se mobilizando para a realização da quarta edição do Desafio Internacional de Judô Veteranos. Com incentivo da Confederação Brasileira de Judô, através da Coordenação Nacional de Veteranos e apoio de diversas Federações Estaduais, judocas com idade acima de 30 anos se reunirão em academias espalhadas por 25 estados mais o Distrito Federal para um mega treino simultâneo marcado para o dia 06 de fevereiro, às 10h (horário de Brasília).

Segundo o Coordenador Nacional de Veteranos, Cristian Cesário, em todas as edições o número de participantes tem aumentado e a expectativa é que 2021 será superado novamente.  

São esperadas as participações de judocas de Angola, Argentina, Austrália, Chile, Estados Unidos, México, Portugal, Itália, Uruguai, Colômbia e Equador.

No Brasil, é esperado a confirmação de academias das cidades de Belo Horizonte (MG), Alfenas (MG), Timoteo (MG), Divinópolis (MG), São Paulo (SP), Campinas (SP), Americana (SP), Mirassol (SP), Santos (SP), Barreiras (BA), Conquista (BA), Irece (BA), Rio Branco (AC), Macapá (AP), Vila Velha (ES), Anápolis (GO), São Luiz (MA), Campina Grande (PB), João Pessoa (PB), Floriano (PI), Natal (RN), Caxias do Sul (RS), Porto Velho (RO), Itapema (SC), Aracaju (SE), Palmas (TO), Rio de Janeiro (RJ), Fortaleza (CE), Aracati (CE), Juazeiro do Norte (CE), entre outras, que já abriram suas portas para a participação nos desafios anteriores e certamente estarão prontos para a quarta edição.

Quer participar do Desafio? Contate sua Federação local e saiba quais academias irão participar.

Por: Boletim OSOTOGARI








Vinícius Erchov estreia nova série no Canal Golden Score. Confira!

Na estreia do novo programa do canal Golden Score, Sensei Vinícius Erchov apresenta sua visão sobre os princípios da Judô nessa série sobre Judô, história e filosofia.

Por: Golden Score


Sorocaba: Sensei Toninho dedica sua vida ao judô


Uma vida dedicada ao judô. Aos 73 anos, o sensei Antônio Rizzardo Rodrigues segue em plena atividade desde 1963, quando teve o primeiro contato com o esporte através de um amigo. Desde então, o tatame e o quimono são seus companheiros.

Em 15 de janeiro de 1975, Toninho, como é conhecido na cidade, fundou a Associação Desportiva Bandeirantes de Sorocaba ao lado de Wilson Unterkircher, José Mauad, Roldão Mello, Valério Gozzano e Alir de Biaggi. Nesses 46 anos, o professor já ensinou a arte marcial japonesa a cerca de 6 mil crianças, adolescentes e adultos. “Não formamos só o campeão do esporte, mas contribuímos com a formação da saúde física e mental”, pontuou o sensei.

Uma das principais características do esporte é a disciplina. Sem ela, conseguir os objetivos é improvável. Um ensinamento que se leva para a vida. E um dos principais pontos que poderá contribuir na formação das crianças. “A maioria das crianças têm muita energia e não gostam de disciplina. Então, o judô é uma ferramenta ideal para buscar o equilíbrio nas energias, extravasando-as nas atividades e nas lutas. Lá ensinamos a ganhar e perder, a seguir regras”, refletiu.

Por anos, a Bandeirantes foi a representante de Sorocaba nos Jogos Regionais e Jogos Abertos, com diversos títulos nas duas principais competições do Estado. Porém, a missão da academia vai além das medalhas e dos troféus. “O judô desempenha um papel importante como instrumento de lapidar e formar o caráter moral do ser humano. A atitude moral autêntica adquirida através do treinamento induz à humildade social, perseverança, tolerância, coragem e cortesia”, aponta Toninho.

Ao longo dos anos, o professor Toninho formou 68 faixas pretas. Judocas que tiveram a iniciação esportiva aos cinco anos de idade. Tiveram a oportunidade de disputar torneios regionais e estaduais. Mas a real intenção é na formação do cidadão. Com diversos projetos sociais, a Academia Bandeirantes e o sensei já atenderam mais de 5 mil crianças de Sorocaba e Votorantim. Oportunizar os menores através do esporte, ensinar o judô e os seus valores. A descoberta de um talento será a consequência.

“O esporte social é muito mais importante do que o esporte competitivo. É através dele que vêm os talentos. No judô, nós temos dois exemplos. A campeã olímpica em Londres, Sarah Menezes, e a Rafaela Silva, que foi campeã olímpica no Rio de Janeiro”, finalizou. Ambas surgiram em ações sociais. Sarah, a primeira mulher brasileira a ganhar uma medalha de ouro no judô, foi descoberta em um projeto em Teresina, no Piauí. Rafaela surgiu no Instituto Reação, no Rio de Janeiro (RJ).

Cumprindo os ensinamentos de Jigoro Kano, o criador do judô, o sensei Toninho segue em sua missão de promover a filosofia do esporte. E mesmo já septuagenário, ministra suas aulas, de segunda à sexta, das 18h30 às 22h, desde 1975. (Zeca Cardoso)

Por: Zeca Cardoso - Jornal Cruzeiro


Liga de Ouro JudoFit Kids: É hora de saber quem são os vencedores


Por muitas semanas você participou da Liga de Ouro JudoFit Kids. Esta foi uma competição online incrível e estamos realmente felizes em dizer que recebemos mais de 5.400 contribuições de 51 países. Isso é realmente impressionante!

Nosso campeonato acabou e em breve será hora de saber quem são os vencedores.

Para isso, você precisava participar de todos os desafios para conquistar todas as cartas de ouro dos nossos campeões. A maioria dos desafios eram exercícios físicos, mas também tínhamos um desafio original de 'Mudanças Climáticas', com nossos dois Embaixadores do Clima da IJF, Sabrina Filzmoser (AUT) e Flavio Canto (BRA).

O mínimo que podemos dizer é que todos vocês foram muito bons e mostraram que o judô é mais do que um esporte. Obrigado do fundo do nosso coração pelo seu compromisso.

Hoje,  16 de janeiro de 2021  , estaremos ao vivo na página da IJF no Facebook ( https://www.facebook.com/judo )  às 15:00 (CET)  para descobrir os vencedores.

Fique ligado e descubra se você é um dos mais sortudos em nosso sorteio!

Por: Nicolas Messner e Leandra Freitas - Federação Internacional de Judô


Bahia: Acompanhe ao vivo o Credenciamento Técnico da FEBAJU

Acompanhe ao vivo o Credenciamento Técnico dos judocas da Federação Baiana de Judô (FEBAJU)

sexta-feira, 15 de janeiro de 2021

Judô Messias/IMECAM alinha todos os detalhes da parceria com Judo Club Gamachois da França

 

Hoje, 15 de janeiro, o professor Maurício Neves, representando o Judô Messias/IMECAM reuniu-se por videoconferência com Adrien Tuer, técnico responsável, e Julien Destoop, Presidente do Judo Club Gamachois da França, para alinhar detalhes da parceria entre as duas instituições.  

Também ficou acertado que o Judo Saint Giles, da Bélgica, fará parte dessa inovadora parceria internacional. Além do intercâmbio de atletas e técnicos, haverá o intercâmbio cultural de forma digital entre os judocas mais jovens (sub 07 e sub 09) das três instituições. Eles irão trocar  mensagens  por vídeo, relatando experiências sobre cultura nacional dos países e muitas outras atividades, como uma Liga Kids, nos moldes realizados pela FIJ recentemente.

Em fevereiro o Judô Messias IMECAM receberá um representante do Judô Club Gamachois da França e do Judo Saint Giles da Bélgica que participarão de um treinamento com os atletas do Judô Messias /IMECAM. Mas antes da visita presencial está previsto um treinamento online entre Brasil, França e Bélgica. Muitas ações inéditas, produtivas e inovadoras estão por vir.

Por: Boletim OSOTOGARI




COB destaca trabalho acadêmico "A Gestão da Qualidade Total nos esportes: o caso do Judô" dos Incansáveis!


A Exposição de Trabalhos Acadêmicos é uma das experiências proporcionadas no Congresso Olímpico Brasileiro e foi um sucesso durante a 1ª edição do evento! Um dos trabalhos selecionados foi "A Gestão da Qualidade Total nos esportes: o caso do Judô", que analisou a aplicação da técnica já consolidada na administração em uma academia de Judô, mostrando que a gestão da qualidade total é uma excelente ferramenta para o ambiente esportivo e para melhorar o desempenho dos atletas, podendo ser aplicada também para outras modalidades.

Na revista Gestão Esportiva de Alto Impacto, disponível no site do Congresso, você confere detalhes sobre todos os Trabalhos Acadêmicos apresentados, além de ficar por dentro do que rolou na 1ª edição do Congresso Olímpico Brasileiro, em 2019 👉https://bit.ly/35HO0vF

Por: Comitê Olímpico do Brasil

FIJ: Obrigado Doha!

Após 3 dias de competição de alto nível, podemos declarar o ano olímpico bem e verdadeiramente aberto para o mundo do judô.

Doha foi uma cidade anfitriã maravilhosa para o Mundial de Judô de 2021, unindo a hospitalidade e a cultura locais com as necessidades complexas dos eventos mais modernos.

Entre médicos oficiais, organizadores e a equipe IJF, os protocolos da Covid foram desenvolvidos, estabelecidos e monitorados estritamente, garantindo que cada pessoa que chegasse ao Catar para o Masters, pudesse ter uma experiência segura, o que foi definitivamente o caso.

Hamad Bin Abdulaziz Al-Thani - Comitê Olímpico do Catar, Chefe da Unidade de Apoio à Mídia, Departamento de Marketing e Comunicação, fala sobre trazer o judô de volta ao mundo com segurança com o Comitê Olímpico do Catar.

O Presidente da FIJ, Sr. Marius Vizer declarou ao final da competição: "O Doha World Judo Masters foi concluído com um grande sucesso! Tivemos grandes campeões dando tudo de si e uma organização fantástica, superando a situação de saúde global. O comitê organizador fez tudo o que é possível para que o evento seja um sucesso. Doha oferece alguns dos melhores organizadores de eventos esportivos do mundo, com as melhores instalações esportivas. Quero agradecer Sua Alteza Sheikh Tamim bin Hamad Al-Thani e as autoridades do Catar. 


Agradecemos e reconhecemos os esforços do Sheikh Joaan bin Hamad bin Khalifa Al Thani e do Comitê Olímpico do Qatar, que fizeram um trabalho incrível e, ao mesmo tempo, a federação nacional de judô, seu presidente Sr. Khalid Hamad Al Attiyah e sua equipe por seus esforços. Todos podem estar realmente orgulhosos do que foi entregue em Doha, demonstrando o trabalho em equipe e as habilidades notáveis ​​dos organizadores de eventos do Catar. Tivemos os melhores dos melhores atletas do mundo presentes. Todos eles deram um show fantástico e parabenizamos todos os vencedores do Mundial Masters de Judô. Em 2023 estaremos de volta a Doha para o Campeonato Mundial, nosso principal evento. A família do judô está ansiosa para se reunir no Catar.

Também foi uma honra receber o xeque Ahmed Al-Fahad Al-Ahmed Al-Jaber Al-Sabah, presidente do Conselho Olímpico da Ásia. Sua presença significou muito para nós. "

Obrigado, Doha, por tomar medidas generosas e corajosas para organizar um torneio como este na era atual. Obrigado pelo profissionalismo com que cada aspecto do concurso foi entregue. Obrigado pelo pano de fundo arquitetônico de beleza tradicional e contemporânea que emoldurou nossa estadia. Obrigado a cada um dos voluntários pela energia com que cuidaram das tarefas do evento.

Agradecemos à equipe de TI, local e IJF, por tornar possível a transmissão dos Masters em todo o mundo. É claro que o judoca em todos os lugares preferiria estar no estádio torcendo, mas nestes tempos nós nos adaptamos e encontramos soluções e os gurus de TI estão liderando esse ataque de muitas maneiras.

Agradeço também à mídia, que divulgou mundialmente o evento e sua organização profissional, e aos patrocinadores e parceiros que acreditaram na capacidade do judô de realizar o Doha World Judo Masters.

Por último, mas não menos importante, obrigado Doha por fazer com que nossos atletas se sintam em casa e obrigado por oferecer a eles a oportunidade de mostrar o melhor do melhor judô. Foram 14 medalhistas de ouro, 14 de prata e 28 de bronze, que estiveram em destaque, mas ao todo foram 398 atletas de 59 países, representando os cinco continentes e todos eles merecem a nossa admiração por irem além das dificuldades e mostrarem ao mundo que tudo é possível.

Assim, tudo o que podemos dizer é obrigado ... obrigado Doha.

Por: Nicolas Messner e Jo Crowley



quinta-feira, 14 de janeiro de 2021

Rio de Janeiro: FJERJ firma parceria com universidade para Vestibular Social


A Federação de Judô do Estado do Rio de Janeiro (FJERJ), com vistas ao desenvolvimento dos atletas e filiados, informou que haverá um VESTIBULAR SOCIAL, que será realizado pela Universidade Santa Úrsula. A taxa de inscrição será apenas 1 kg de alimento não perecível a ser doado a instituições carentes.

Além disso, os alunos que obtiverem melhor desempenho nas provas concorrerão a bolsas durante todo o curso de até 90% de desconto no valor da mensalidade!
"Você não vai perder essa, vai? Espalha pros amigos e comece a investir agora no seu futuro!", disse o presidente da FJERJ, Jucinei Costa.

Por: Judô Rio

Associação de Judô Corpore Sano está certificado pelo Governo Federal para executar projetos de alto rendimento


A Associação de Judô Corpore Sano, responsável por tocar projetos como o Educa Judô e o Rumo ao Pódio, além de outros trabalhos, que já atenderam mais de 20 mil alunos ao longo dos últimos anos, recebeu nesta quarta-feira (13) uma importante certificação.  

A Corpore Sano está entre os principais clubes do Brasil que possuem certificação nacional, emitida pelo Ministério da Cidadania e Secretária Especial do Esporte, para executar projetos de alto rendimento em todo território brasileiro. A documentação é um termo que habilita e capacita a Corpore a pensar e alçar voos muito maiores dentro do esporte.  

Coordenador da Associação de Judô Corpore Sano, Cleber do Carmo comemorou o reconhecimento e ressaltou a importância e seriedade do trabalho que foi e continua sendo realizado por sua equipe ao longo dos anos.  

 “Esse documento só se conquista depois de muitos anos de realização de bons projetos, cumprindo todos os trâmites nacionais e, principalmente, em relação a transparência na prestação de contas. São muitos anos de trabalho, mais de 20 mil alunos beneficiados com o trabalho da nossa equipe. Estou muito feliz com o reconhecimento. Isso nos dá força para continuar trabalhando e ajudando cada vez mais pessoas”, afirmou Do Carmo.  

Em 2021, a Associação de Judô Corpore Sano tem planos de expansão e novos projetos que devem começar a vigorar em breve. Judô em Ação e Judô Social são outros dois trabalhos da Corpore Sano que em breve estarão disponíveis para dar apoio à sociedade.  


As lembranças mais precisas (Fotógrafos também fazem parte do espetáculo)


Todos concordamos que nossa modalidade é espetacular, única e que seu fluxo pode girar em segundos. É imediato, diante de nossos olhos, mudando de direção na mesma velocidade que piscamos.

Ele confirma e supera nossas expectativas e nos ensina a admirar a consistência e a mudança. Aceitamos que o jogo longo é jogado principalmente a portas fechadas, com as principais conversas, o uso de tênis de treinamento, o tapar com os dedos e o suor. Tanto trabalho se faz e por tantos anos, para poder ganhar a honra de competir nos palcos mais prestigiosos. Para chegar lá ainda não há garantia.

É uma vida dura, difícil, mas traz consigo alguns dos pontos altos e vale a pena lutar por eles. 


O judô é implacável e, ao mesmo tempo, desempenha o papel de cobertor confortável. É nossa família e nossa oposição e toda uma série de outros paradoxos que podemos sentir, mas não saberíamos como escrever. Como podemos percorrê-lo e acompanhar, acompanhando as conquistas e os momentos dos quais devemos nos lembrar; os que nos ensinam ou os que nos abraçam?

Somos especialistas na arte de sobreviver a pequenos momentos espirituais, magníficos e destruidores de almas. O judô nos ensina que podemos fazer qualquer coisa. Nós podemos fazer qualquer coisa. Somos lembrados disso, diariamente, pelos especialistas que talvez nem saibam que são líderes mundiais em sua pequena avenida ao lado do tatame.

Nossos redatores de diários bíblicos surgem, segundo após segundo. Eles prendem momentos de pura magia em suas lentes, garantindo que aqueles momentos de Pandora em frações de segundo sejam gravados para sempre.

O sorriso depois de uma vitória de encher o coração. 

O entendimento compartilhado entre o treinador e o jogador, quando algo transformador, merecido e sacrificado, se concretiza. 


As formas inexplicáveis ​​e contorcidas dos atletas na melhor forma de suas vidas. 

Nossos fotógrafos nos dão nossas joias, colocando-as com segurança nos arquivos. Com uma sensação inata de saber para onde olhar, eles apontam e clicam, emitindo aquele som inconfundível, como um helicóptero ao longe ou chuva em um telhado alto.

Eles começam antes dos lutadores e terminam, não no momento do bloqueio, mas simplesmente quando terminam: carregar, marcar, editar, enquadrar, excluir, pesquisar, editar novamente.


Sem eles, as competições continuariam. Os resultados ainda seriam escritos. Os vencedores ainda venceriam e os treinadores ainda se alegrariam. Mas como todos nós aprenderíamos? Com as fotos de um sentimento ou de clareza, de gênio ou de um coração partido, todos nós ganhamos uma compreensão da profundidade da vida que compartilhamos. Temos tempo para refletir e para reviver algo tão especial que naquele instante fomos transformados para sempre, talvez fortalecidos, talvez realizados, talvez finalmente encontrando a crença.

Atrás das câmeras estão os judocas. Alguns não sabem quem são, mas todos sabemos quem são. Seu trabalho prova isso. 

Jita kyoei 

Por: Jo Crowley - Federação Internacional de Judô


quarta-feira, 13 de janeiro de 2021

CBDV: Com mudança no calendário, Seleções vão treinar no CT Paralímpico, incluindo a de judô

 

Após quase um ano de inatividade por conta da pandemia da Covid-19, as Seleções Brasileiras de futebol de 5, goalball e judô vão se reunir novamente para um período de treinamentos. O primeiro ciclo de atividades de 2021 acontecerá em fevereiro, no Centro de Treinamento Paralímpico Brasileiro, em São Paulo, e seguirá diversos protocolos para garantir a segurança de todos os envolvidos.

Como já era previsto desde a divulgação do calendário oficial deste ano, a Confederação Brasileira de Desportos de Deficientes Visuais (CBDV) precisou fazer ajustes em datas e locais das concentrações dos selecionados do Brasil.

Confira como ficou o calendário atualizado. Lembrando que todo o planejamento seguirá sujeito a novas intervenções. Qualquer mudança será prontamente informada.

Todos os convocados (atletas e comissões) terão de enviar um teste RT-PCR negativado 72 horas antes da viagem – os testes serão custeados pela CBDV – ou o mais próximo disso possível, além de precisarem cumprir um período de isolamento cinco dias antes da apresentação, ou seja, a partir de 27 de janeiro. Uma cartilha com os protocolos de viagem e de estadia no CT com as orientações a serem seguidas será enviada aos envolvidos. Eventuais dúvidas podem ser sanadas com o Departamento Técnico da Confederação no e-mail: felipemenescal@cbdv.org.br.

Seguem as alterações para a 1ª Fase de 2021 e os atletas do judô convocados:

JUDÔ

Data anterior: 31 de janeiro a 9 de fevereiro
DATA ATUALIZADA: 19 a 28 de fevereiro
Local anterior: São Paulo/SP
LOCAL ATUALIZADO: São Paulo/SP

Lista de convocados (acesse o arquivo em PDF):

ALANA MARTINS MALDONADO (- 70 kg): Amei/SP
ANTÔNIO TENÓRIO DA SILVA (- 100 kg): Cesec/SP
ARTHUR CAVALCANTI DA SILVA (- 90 kg): Adevirn/RN
GIULIA DOS SANTOS PEREIRA (- 48kg): Cesec/SP
HARLLEY DAMIÃO PEREIRA ARRUDA (- 81 kg): Cesec/SP
KARLA FERREIRA CARDOSO (- 52 kg): Ceibc/RJ
LUAN SIMÕES PIMENTEL (- 73 kg): Ismac/MS
LÚCIA DA SILVA TEIXEIRA ARAÚJO (- 57 kg): Cesec/SP
MARIA NÚBEA DOS SANTOS LINS (- 52 kg): Reação/RJ
MEG RODRIGUES VITORINO EMMERICH (+ 70 kg): IRM/PR
REBECA DE SOUZA SILVA (+ 70 kg): Apadv/SP
THIEGO MARQUES DA SILVA (- 60 kg): Aepa/PA
WILIANS SILVA DE ARAÚJO (+ 100 kg): Ceibc/RJ

Por: Comunicação CBDV


A Apoteose dos Pesos Pesados em Doha


Este foi o terceiro e último dia do Doha World Judo Masters. Um encontro com as categorias pesadas, toneladas de talento, força na sua essência mais natural, o ruído característico, como uma explosão, de corpos de cem quilos e mais caindo no tatame e a esperada volta do maior, Teddy Riner, com duas derrotas na mochila no ano passado, vinte quilos a menos e a vontade de voltar a ser o número um indiscutível.

No entanto, não é possível resumir tal dia de competição apenas com o aparecimento do bicampeão olímpico e dez vezes campeão mundial, tão antecipado quanto está a sua participação, pois ao todo foram cinco categorias em ação na quarta-feira, 13 de janeiro. : mulheres com -78kg e + 78kg e homens com -90kg, -100kg e + 100kg. O mínimo que podemos dizer é que o show estava lá, com rodadas preliminares concluídas em tempo recorde, sinônimo de ippon e número reduzido de ouro. Aqui está o judô que amamos, que te faz esquecer todas as dificuldades do momento. Obrigado aos atletas de todos os países por colocar um bálsamo em nossas feridas.

Se este último dia de competição foi a Apoteose dos Pesados, não podemos esquecer o belo judô que esteve em exibição desde o início do evento. Não podemos esquecer também que todos deram o seu melhor, os atletas e os seus treinadores, claro, mas também os organizadores locais e internacionais. Sem o total envolvimento de todos e o verdadeiro apoio das autoridades do Catar, do Comitê Olímpico Nacional, da federação e de todos os voluntários, o Doha World Judo Masters teria sido um evento como outro qualquer. Mas foi um grande sucesso, um sucesso seguro, que com certeza deixará uma lembrança eterna.

Como 2021 já está em pleno andamento, aguardamos os próximos eventos que trarão mais emoção e paixão e que farão desta temporada um ano inesquecível no judô.

Ao final do terceiro dia de competição, os melhores atletas masculinos e femininos foram reconhecidos com base no número de pontuações de ippon e no tempo total despendido no tatame, com base no fato de um hansoku-make não contar como ippon neste contexto. Os resultados são:

Melhor atleta feminina: Romane DICKO (FRA) - 4 ippon - 9 minutos e 3 segundos.

Melhor atleta masculino: Tato GRIGALASHVILI (GEO) - 4 ippon - 16 minutos e 33 segundos.

Cada vencedor receberá um prêmio especial de FIJ.

Após três dias de competição, a França termina na liderança do ranking de medalhas com cinco ouros, à frente da Coreia do Sul com três ouros e do Japão com dois ouros. 19 países ganharam uma medalha.

Estarei de volta à cidade para o nosso Campeonato Mundial, o principal evento de nossa organização. Estamos todos ansiosos por isso. "

-78 kg: Grande Sorriso para MALONGA

Sem dúvida, Madeleine MALONGA da França será uma das grandes favoritas dos Jogos Olímpicos de Tóquio. Ela é a atual campeã mundial e voltou a entrar na final de um grande evento internacional, depois de escalar as primeiras rodadas sem tremer, vencendo todas as suas três lutas pelo ippon. É impressionante, especialmente quando você vê que a França pode alinhar mais dois atletas de alto nível na mesma categoria, mesmo que as companheiras de equipe de Malonga, Audrey TCHEUMEO (FRA) e Fanny Estelle POSVITE (FRA) não estivessem em seu melhor nível hoje.

Na final, o francês enfrentou HAMADA Shori (JPN), que também fez um início de dia perfeito, com três vitórias por ippon. Final interessante já que foi o remake da final do Campeonato Mundial de 2019, vencida pela MALONGA; não é fácil quando percebemos que HAMADA foi o campeão mundial de 2018. Com certeza, esses dois atletas são os melhores do momento.

Em menos de trinta segundos, MALONGA teve uma clara vantagem ao engajar uma direita imparável o-soto-gari, que não faltou muito para ser contada como um ippon. Na sequência seguinte, a francesa foi surpreendida por uma tática impecável da judoca japonesa no chão, mas saiu quase milagrosamente para retomar a trajetória da final e por fim controlar o confronto até o final. MALONGA poderia eventualmente deixar escapar um grande sorriso por este primeiro título de Masters de sua carreira. Foi uma pena, mesmo para MALONGA, ver que HAMADA terminou o dia com uma lesão no joelho, mas como sempre MALONGA respondeu com gentileza e profissionalismo, no espírito do jogo limpo.

A primeira medalha de bronze foi disputada pelos dois atletas holandeses, Marhinde VERKERK (NED) e Guusje STEENHUIS (NED). Conhecer um ao outro perfeitamente significava uma pontuação de ouro de ligação quase inevitável. Após quase cinco minutos do prolongamento, foi Guusje STEENHUIS quem marcou um waza-ari libertador e conquistou o bronze.

Encontramos para a segunda luta pelo terceiro lugar a jovem Kosovan Loriana KUKA contra a experiente Natalie POWELL (GBR). Pela segunda partida consecutiva, o vencedor foi decidido no placar dourado, já que KUKA e POWELL não encontraram a solução no tempo regulamentar, para marcar. Ambos canhotos, eles tentaram se engajar em um movimento que finalmente foi eficaz. Foi KUKA que teve a vantagem e, eventualmente, aproveitou a chance com um mestre koshi-guruma para ippon.

Resultados finais

 1. MALONGA, Madeleine (FRA) 2. HAMADA, Shori (JPN) 3. KUKA, Loriana (KOS) 3. STEENHUIS, Guusje (NED) 5. POWELL, Natalie (GBR) 5. VERKERK, Marhinde (NED) 7. ANTOMARCHI, Kaliema (CUB) 7. MALZAHN, Luise (GER)

+78 kg: DICKO se torna um favorito 

A categoria +78 kg começou com a atuação de Romane DICKO (FRA), que eliminou a lenda Idalys ORTIZ (CUB), campeã olímpica e mundial, no primeiro turno. Com uma vitória do seu lado a francesa forçou o ímpeto até a final, onde enfrentou Iryna KINDZERSKA (AZE), vencedora de todas as lutas pelo ippon.

Romane DICKO não precisou de mais da metade do tempo regular para marcar um waza-ari que ela seguiu até a pista para segurar KINDZERSKA para ippon, ganhando sua primeira medalha de ouro no Masters. DICKO está definitivamente entrando no grupo de atletas com boas chances de conquistar uma medalha nos Jogos Olímpicos.

Encontramos, pelo terceiro lugar, um confronto 100% africano entre Nihel CHEIKH ROUHOU (TUN) e Hortence Vanessa MBALLA ATANGANA (CMR), vencedora de seus últimos campeonatos continentais. Com apenas alguns segundos restantes no placar, MBALLA ATANGANA tentou marcar, mas CHEIKH ROUHOU evitou o ataque e imediatamente seguiu para o solo para ippon. Esta foi a primeira medalha de bronze no Masters para o Tunisiano.

A segunda medalha de bronze foi disputada entre KIM Hayun (KOR) e Kayra SAYIT (TUR). Depois de quarenta segundos de pontuação de ouro e nada além de pênaltis exibidos no placar, Kayra SAYIT finalmente marcou um waza-ari antes de ser parabenizada por seu treinador.

Resultados finais

 1. DICKO, Romane (FRA) 2. KINDZERSKA, Iryna (AZE) 3. CHEIKH ROUHOU, Nihel (TUN) 3. SAYIT, Kayra (TUR) 5. KIM, Hayun (KOR) 5. MBALLA ATANGANA, Hortence Vanessa (CMR) 7. SOUZA, Beatriz (BRA) 7. TOLOFUA, Julia (FRA)

-90 kg: Campeão Mundial VAN T END confirma tudo em Doha

Top semeado Ivan Felipe SILVA MORALES (CUB) sendo imediatamente derrotado em sua primeira rodada por Eduard TRIPPEL (GER), não era o que o cubano queria. O TRIPPEL foi então derrotado por Beka GVINIASHVILI (GEO), que foi à final contra o atual Campeão Mundial, Noel VAN T END (NED). Ele teve lutas difíceis nas rodadas preliminares, mas Noel sempre encontrou a energia necessária para seguir em frente.

Na final, a alta pressão e as contra-tentativas estiveram em evidência de Gviniashvili do início ao fim, mas ele era tarde demais para evitar o placar de waza-ari de Van t'End. Com mais e mais pressão do georgiano, parecia que o holandês poderia sucumbir a ela, mas com uma mudança engenhosa na transição, ele aplicou um estrangulamento rápido e relâmpago para um acabamento ippon quase no sino. Ouro para a Holanda, pela primeira vez no Masters de 2021.

Eduard TRIPPEL (GER) e Mikhail IGOLNIKOV (RUS) se enfrentaram pela primeira medalha de bronze, mas como Mikhail IGOLNIKOV não pôde competir, Eduard TRIPPEL conquistou a medalha de bronze.

O segundo georgiano, Lasha BEKAURI, se opôs a Mihael ZGANK (TUR) pela segunda medalha de bronze. Dizer que a competição começou em um ritmo impressionante é um eufemismo, já que BEKAURI com sua guarda cruzada entrou imediatamente em ação para desequilibrar seu oponente. Olhar para o placar a 1 minuto 23 segundos do fim e já três pênaltis em nome de ZGANK parecia surpreendente, mas na verdade não foi, já que o georgiano era tão ativo que assumiu o controle de uma forma que só poderia resultar em uma vitória. da desqualificação ou de encontrar o lance dentro de seu ataque. Bronze para Lasha BEKAURI.

Resultados finais

 1. VAN T END, Noel (NED) 2. GVINIASHVILI, Beka (GEO) 3. BEKAURI, Lasha (GEO) 3. TRIPPEL, Eduard (GER) 5. IGOLNIKOV, Mikhail (RUS) 5. ZGANK, Mihael ( TUR) 7. BOBONOV, Davlat (UZB) 7. GANTULGA, Altanbagana (MGL)

-100 kg: Não Vamos Esquecer LIPARTELIANI

 O cabeça-de-chave Peter PALTCHIK (ISR) teve uma largada muito boa, enfrentando o medalhista olímpico de prata Elmar GASIMOV (AZE) no primeiro round e derrotando-o após um longo placar de ouro. Com este ímpeto positivo, PALTCHIK continuou a vencer até a semifinal, onde enfrentou Varlam LIPARTELIANI (GEO), cuja experiência prevaleceu, para enviar o georgiano à final.

Com o GASIMOV eliminado, foi o segundo atleta azeri, Zelym KOTSOIEV, que se classificou para a final frente ao LIPARTELIANI. Depois de apenas dezenove segundos, LIPARTELIANI, que é mais conhecido por seu uchi-mata, fez um waza-ari com um seoi-nage caindo para assumir a liderança. Pelo resto do final, LIPARTELIANI escapou cuidadosamente de todas as tentativas de KOTSOIEV de voltar. O georgiano gostou de ganhar seu terceiro título no Masters e novamente sobe na lista de favoritos para o título olímpico neste verão. Não vamos esquecê-lo.

Na primeira disputa pela medalha de bronze, Arman ADAMIAN (RUS) e Simeon CATHARINA (NED) competiram pelo prêmio, mas também por pontos importantes no Ranking Mundial e na qualificação olímpica. Faltando menos de um minuto para o final e após uma partida muito apertada, ADAMIAN executou um waza-ari quase perfeito, seguido imediatamente por uma imobilização para ippon.

Na segunda prova da medalha de bronze o atual campeão mundial Jorge FONSECA de Portugal enfrentou o recente Campeão Europeu Peter PALTCHIK (ISR). Essa poderia ter sido uma final com certeza, com base no nível de ambos os competidores e eles deram tudo o que tinham depois de um dia inteiro de competição. O que é extraordinário é a explosividade de FONSECA de um lado, que mesmo que pareça totalmente exausto é capaz de lançar um ataque blitz em uma fração de segundo. Do outro lado estava PALTCHIK, um homem que parece ser capaz de escapar de qualquer situação e também tem uma forte capacidade de atacar em todas as direções. No final da partida, foi Peter PALTCHIK quem venceu depois que FONSECA foi penalizado três vezes.

Resultados Finais

1. LIPARTELIANI, Varlam (GEO) 2. KOTSOIEV, Zelym (AZE) 3. ADAMIAN, Arman (RUS) 3. PALTCHIK, Peter (ISR) 5. CATHARINA, Simeon (NED) 5. FONSECA, Jorge (POR) 7. ELNAHAS, Shady (CAN) 7. KHURRAMOV, Mukhammadkarim (UZB)

+100 kg: RINER está de volta e bem de volta

 Já faz um tempo que nos perguntamos se Teddy Riner seria capaz de recuperar sua forma. Suas últimas saídas levantaram preocupações de que seu tempo estava prestes a acabar, mas está claro que não é isso que Teddy Riner deseja. Além disso, há apenas um Teddy! Afiado como sempre, pronto para o desafio, o francês começou o dia concentrado e cuidadoso para não cometer erros. Ele também não teve escolha, porque os melhores do mundo estavam presentes e ele não foi semeado.

O resumo das rodadas preliminares: Teddy ainda é Teddy! Um a um, com postura e profissionalismo, eliminou cada um de seus oponentes, com seus movimentos destrutivos de quadril, mas também com sutemi-waza e até um estrangulamento. Provavelmente, tudo ainda não está perfeito, mas o campeão está se aproximando de um estado de forma que pode lhe permitir conquistar o terceiro título olímpico, daqui a alguns meses.

Na final enfrentou Inal TASOEV (RUS) que tentou fazer melhor que seus antecessores no tatame do Qatar, mas não foi uma tarefa fácil. O russo foi totalmente dominado pelo fantástico kumi-kata do campeão francês. Depois de ser penalizado três vezes e desclassificado, a TASOEV ofereceu a vitória a Teddy RINER, que pode estar orgulhoso de sua competição hoje.

A primeira disputa pela medalha de bronze viu Tamerlan BASHAEV (RUS) enfrentar Henk GROL (NED). Depois de um placar de ouro tão longo quanto o tempo regular, GROL finalmente conseguiu um waza-ari para ganhar o bronze.

Para o último lugar no pódio desses Mestres Mundiais de Judô, Temur RAKHIMOV (TJK) enfrentou Yakiv KHAMMO (UKR). Já tendo marcado um waza-ari antes durante a competição, Yakiv KHAMMO ganhou a medalha de bronze depois que Temur RAKHIMOV foi desqualificado de um terceiro shido.

Resultados finais

1. RINER, Teddy (FRA) 2. TASOEV, Inal (RUS) 3. GROL, Henk (NED) 3. KHAMMO, Yakiv (UKR) 5. BASHAEV, Tamerlan (RUS) 5. RAKHIMOV, Temur (TJK) 7. KIM, Minjong (KOR) 7. MOURA, David (BRA)

Por: Nicolas Messner, Jo Crowley e Pedro Lasuen - Federação Internacional de Judô


Três dias: um ótimo show. Confira a análise técnica do terceiro dia em Doha.


Conversamos com Jeon Ki-Young sobre os aspectos técnicos do Mundial Masters de Judô e, especificamente, sobre o Dia 3.

“Os jogadores estão tendo problemas para retornar à rotina de competição e, como resultado, vemos que algumas táticas de luta estão um pouco diferentes agora. Infelizmente, isso é resultado do déficit de treinamento nos confinamentos. No entanto, este é um ótimo começo de ano, então espero que eles consigam se adaptar ainda mais e continuar a lutar como antes ou talvez até melhor.

Acho que o seoi-nage reverso se tornou muito famoso e mais atletas estão tentando usar essa técnica, mas é uma escolha muito especial e não é fácil de executar, então nem todos estão conseguindo aplicá-la.

Se falarmos do dia 1 e compararmos com o dia de hoje, devido à leveza das categorias, pode ser mais difícil apanhar um adversário e esse é um dos motivos pelos quais vimos tantos pontos de ouro. Os atletas se conhecem muito bem, então eles conhecem os altos e baixos de seus oponentes. A velocidade de movimento é bem diferente da dos pesos pesados. Hoje vimos a pinça, a força e a busca por realmente usar o peso e o equilíbrio do adversário.

No último dia, testemunhamos uma das lendas do judô, Teddy Riner, que se saiu muito bem depois de uma longa pausa. Eu queria destacar sua ponta de manga de kumi-kata especialmente. Ele tem uma pegada muito forte, o que lhe permite executar fortes o-soto-gari, harai-goshi e outras técnicas.

Também gostaria de destacar o Noel Van T End, que hoje conquistou a medalha de ouro nos -90kg. Seu te-waza é muito bom. Não é comum que pesos médios europeus sejam tão fortes em te-waza, mas ele se saiu muito bem; o seoi-nage foi realmente ótimo. ”

Isso conclui nossa série de análises técnicas do Masters de Doha de 2021. Esperamos trazer a você mais análises técnicas de nossos especialistas no futuro.

Por:  Jakhongir Toshpulatov - Federação Internacional de Judô


Beatriz Souza e David Moura terminam em 7º lugar, melhor resultado do judô brasileiro no World Masters de Doha


A seleção brasileira de judô retornou ao tatame do World Masters de Doha, no Catar, na madrugada desta quarta-feira, 13, buscando uma reação frente aos dois primeiros dias sem pódio e os judocas que chegaram mais perto da medalha foram os pesos pesados David Moura e Beatriz Souza. Ambos caíram na fase de repescagem e não conseguiram avançar até a disputa de bronze, terminando em 7º lugar.  

David estreou com vitória sobre o campeão do Grand Slam de Paris 2019, Sungmin Kim, da Coreia do Sul, e manteve o desempenho na segunda rodada, superando o holandês Jur Spijkers com uma chave de braço. Nas quartas-de-final, ele sofreu um waza-ari no duelo com o ucraniano Iakiv Khammo e não conseguiu virar o placar, caindo para a repescagem. Em sua última luta em Doha, o brasileiro encarou o russo Temerlan Bashaev, que finalizou o combate com ippon e foi para a disputa pelo bronze.  

Já Beatriz precisou de uma vitória sobre a sérvia Milica Zabic, por ippon, para chegar às quartas-de-final de sua categoria. Bia conseguiu forçar duas punições à turca Kayra Sayit e parecia ter o controle da luta quando foi surpreendida por um golpe que garantiu o ippon à adversária. Na repescagem, a brasileira foi projetada por Nihel Cheikh Rouhou, da Tunísia, e deixou escapar a chance de buscar o bronze.  

Outros cinco brasileiros também lutaram nesta quarta, mas não andaram nas chaves. Entre os pesados, Rafael Silva Baby foi superado nas punições diante de Iurii Krakovetski, do Quirguistão, enquanto Maria Suelen Altheman foi desclassificada por hansoku make por executar uma técnica proibida no braço da adversária, a camaronesa Hortence Antangana.  

Os meio-pesados Rafael Buzacarini e Leonardo Gonçalves perderam para Elmar Gasimov, do Azerbaijão, e para Shady ELnahas, do Canadá, respectivamente. O médio Rafael Macedo não passou por Gantulga Altanbagana na primeira rodada e também despediu-se precocemente da competição.  

O World Masters é a competição que reúne apenas os 36 melhores do mundo em cada categoria e, por isso, é considerada uma das mais fortes do circuito. Distribui até 1.800 pontos (campeão) no ranking qualificatório para os Jogos Olímpicos de Tóquio. A corrida olímpica do judô terminará em junho e, até lá, ainda haverá cinco etapas de Grand Slam, um continental e um Campeonato Mundial, que fechará a classificação para os Jogos.  

Ao retornar ao Brasil, a seleção se reapresentará em Pindamonhangaba, São Paulo, para um período de 10 dias de treinos a partir do dia 25 de janeiro. O próximo compromisso é o Grand Slam de Tel Aviv, em Israel, nos dias 18, 19 e 20 de fevereiro. 

CALENDÁRIO IJF 2021: 

11-13 Janeiro: World Masters - Doha/Catar - 1.800 pts

18-20 Fevereiro: Grand Slam - Tel Aviv/Israel - 1.000 pts

27-28 Fevereiro: Aberto Europeu - Praga/Rep. Tcheca - 100 pts

06-07 Março: Aberto Pan-Americano - Santiago/Chile - 100 pts

05-07 Março: Grand Slam - Tashkent/Usbequistão - 1.000 pts

13-14 Março: Aberto Pan-Americano - Lima/Peru - 100 pts

20-21 Março: Aberto Pan-Americano - TBC/Argentina - 100 pts

26-28 Março: Grand Slam - Tbilisi/Geórgia - 1.000 pts

01-03 Abril: Grand Slam - Antalya/Turquia - 1.000 pts

16-18 Abril: Campeonato Pan-Americano - Cordoba/Argentina - 700 pts 

08-09 Maio: Grand Slam - Paris/França - 1.000 pts

06-13 Junho: Campeonato Mundial Individual e Equipes Mistas - Budapeste/Hungria - 2.000 pts

24-31 Julho: JOGOS OLÍMPICOS - TÓQUIO 2020

Por: Assessoria de Imprensa da CBJ


Bahia: Febaju promove Credenciamento Técnico nesse sábado


A Federação Baiana de Judô (Febaju) promove nesse sábado (16), a partir das 8h, o credenciamento Técnico, através da plataforma ZOOM.

É importante destacar que a participação é obrigatória para o Credenciamento Oficial, conforme Regulamento Estadual de Eventos da FEBAJU - 2021.

A graduação mínima permitida para atuar na função de técnico (a) e árbitro (a) é de faixa preta 1º Dan. No entanto, poderão participar do curso judocas com a graduação de faixa marrom, porém os mesmos não estarão aptos a atuar nas competições da Febaju.

Inscrições: Até dia 14 de janeiro às 23h59, através da plataforma Zempo (zempo.com.br).

Por: Thaís Brandão - Assessoria de Comunicação da Federação Baiana de Judô (FEBAJU)


Acompanhe as finais do terceiro e último dia de Doha World Masters 2021

Acompanhe ao vivo as finais do terceiro e último dia do Masters de Judô em Doha.


FIJ: A Arte da Adaptação


Durante um evento, todos estão muito ocupados. Cada posição na equipe é crucial. Mas na época de Covid talvez um seja ainda mais relevante: o médico.

Arnold Brons tem um rosto gentil, a meio caminho entre o avô favorito e o Papai Noel. Seu senso de humor é desarmante e ele anda pela sala com gestos gentis e muita paciência.

Arnold é membro da Comissão Médica da IJF. Aqui em Doha, ele era o médico responsável por todos os aspectos médicos, não apenas os relacionados à Covid. É por isso que queríamos falar com ele.

Como médico e comissário médico da IJF, ele cuida de todos os regulamentos médicos e da equipe médica que está presente durante o evento.

Tudo deve ser executado de acordo com o livro, de acordo com os regulamentos. Ele também é o contato para o antidoping.


“Em Doha, tenho essas funções normais e as questões relacionadas à Covid”, explica Arnold. “Colocamos em prática um protocolo muito forte porque nossa única preocupação é manter a Covid-19 do lado de fora. Fizemos as regras e o protocolo para permitir que o judô recomece. É muito rígido. Como gerente da Covid da IJF, sou a pessoa intermediária entre o gerente da Covid local e a IJF. Cada equipe também deve ter seu próprio Covid Manager. Estamos garantindo que toda a papelada está em ordem e que as informações são claras e compreensíveis. ”

Por exemplo, ele precisa saber imediatamente se há algum caso positivo. Ele verifica as bolhas para ter certeza de que todos estão usando a máscara e usam gel hidroalcoólico e faz muitas outras verificações. Mas não está sozinho e, como confirma, está rodeado de gente verdadeiramente profissional.

“Em Doha, o pessoal médico foi muito bom. Só existe um laboratório no país que pode processar todos os testes de PCR, mas eles foram muito eficazes ”.

Aí vem a chave do sucesso. “O que temos que entender é que temos que nos adaptar continuamente à situação.” Perfeito, porque é isso que o judô faz.

“Nossas regras Covid não são fixadas para sempre. Temos que acompanhar de perto a situação para adaptá-los. É um processo de aprendizagem em constante mudança. Ele mudará novamente para o próximo evento. Posso dizer que nosso sistema de bolhas realmente funciona. É difícil para todos, mas por boas razões. Precisamos manter o bom trabalho e os padrões elevados, mas funciona e funciona bem. ”

Quando um médico diz que as coisas estão dando certo e bem, é porque é verdade e na medicina uma boa notícia sempre leva a algo excelente.

Por: Nicolas Messner e Pedro Lasuen - Federação Internacional de Judô


terça-feira, 12 de janeiro de 2021

Sensei Massaru Yanaguimori comemora 100 anos! Parabéns!


Nesta segunda-feira, 11 de janeiro, o sensei Kodansha 9º Dan Massaru Yanaguimori comemorou com familiares o seu centésimo aniversário! O judoca mais longevo de São Paulo e do Brasil, conta com plena saúde e lucidez, onde continua divulgando e totalmente integrado com a modalidade.

Um privilégio poder escrever essas poucas linhas para homenagear um grande judoca que iniciou sua carreira com a modalidade no interior de São Paulo, nas cidades de Lucélia e Tupã e depois se estabelecer definitivamente em Osasco há mais de cinquenta anos, sendo sua academia uma das mais tradicionais de São Paulo.

Hoje seus ensinamentos contam com a ajuda de seus filhos e netos. Um privilégio para poucos.

Sensei Yanaguimori, sinta-se abraçado pela equipe do Boletim OSOTOGARI. Assim que possível, daremos esse abraço pessoalmente!

Por: Boletim OSOTOGARI


Silvio Acácio Borges é empossado no Conselho de Administração do Comitê Olímpico do Brasil


O presidente da Confederação Brasileira de Judô, Silvio Acácio Borges, tomou posse, nesta terça-feira, 12, como membro do Conselho de Administração do Comitê Olímpico do Brasil para o ciclo 2021-2024. Ele foi um dos oito membros eleitos pela Assembleia Eletiva do COB realizada em 2020 que manteve Paulo Wanderley Teixeira e Marco La Porta na presidência da instituição. Todos foram empossados nesta terça em Assembleia Geral Extraordinária por meio virtual devido à pandemia de COVID-19.  

Este será o segundo mandato de Silvio Acácio no Conselho de Administração do COB. Ele ocupou essa posição no último quadriênio - 2017-2020 - quando também foi eleito presidente da CBJ. Ao seu lado estarão também outros seis presidentes de Confederações, sendo eles Jose Luiz Vasconcellos (CBC), Karl Anders Ivar Pettersson (CBDN), Matheus Figueiredo (CBDG), Raphael Nishimura (ABEE), Alberto Cavalcanti Maciel Junior (CBTKD) e Ernesto Teixeira Pitanga (CBTri). Ricardo Leyser Gonçalves é o membro independente, isto é, sem vínculo com as Confederação Brasileiras Olímpicas. 

Os 25 novos integrantes da Comissão de Atletas do COB também foram empossados na mesma solenidade. Os dois órgãos são considerados essenciais para uma melhor governança da instituição maior do movimento olímpico brasileiro.  

Em seu discurso de posse, o presidente do COB ressaltou a importância do trabalho conjunto e da união de todo o sistema esportivo olímpico do Brasil. 

“Hoje é um novo começo. Reitero a importância da unidade de toda a cadeia esportiva, pois sem união não se chega a lugar algum. E o nosso único objetivo deve ser: a melhoria do esporte olímpico brasileiro, com o COB na condução deste processo”, afirmou Paulo Wanderley, que será o primeiro presidente na história a comandar o COB em duas edições dos Jogos Olímpicos de Verão no mesmo mandato.

Por: Assessoria de Imprensa da CBJ


Seleção brasileira tentará reação no último dia do World Masters de Doha



Após dois dias sem pódios nas categorias mais leves e intermediárias, o judô brasileiro chega ao último dia do World Masters de Doha, no Catar, buscando uma reação para conseguir as primeiras medalhas do ano no Circuito Mundial. Para isso, a seleção contará com sete atletas em quatro categorias. O Masters reúne os 36 melhores do mundo em cada categoria, o que torna a competição uma das mais fortes do circuito. 

Nas chaves masculinas, Rafael Macedo (90kg) vai encarar Altanbagana Gantulga, da Mongólia, na estreia. O mongol foi prata no Grand Slam da Hungria, em outubro, e ocupa a 23ª posição no ranking mundial. Macedo é o número 14.  

Nas demais categorias, o Brasil terá dobradinhas. No meio-pesado masculino, as chances ficam com Rafael Buzacarini, que encara Elmar Gasimov, do Azerbaijão, atual vice-campeão olímpico, e Leonardo Gonçalves, que estreia contra o campeão pan-americano, Shady Elnahas, do Canadá.  

Nos pesados, Rafael Silva vai lutar contra IIurii Krakovetskii (KGZ) e ainda tem o francês Teddy Riner na mesma chave. Já David Moura, estreará contra o sul-coreano Sungmin Kim.  

No pesado feminino, tanto Beatriz Souza (+78kg), quanto Maria Suelen Altheman (+78kg) são cabeças-de-chave e saíram de bye no sorteio, aguardando as adversárias que saírem das primeiras rodadas.  

Resultados desta terça-feira, 12  

Nesta terça, os cinco judocas brasileiros que lutaram em Doha caíram nas primeiras lutas. Retornando de uma cirurgia na coxa, a meio-médio Alexia Castilhos (63kg) não passou pela venezuelana Anriquelis Barrios, que avançou na chave e terminou em quinto lugar. Na mesma categoria, Ketleyn Quadros (63kg) parou em Sanne Vermeer, da Holanda, que derrotou Barrios na disputa pelo bronze.  

No 70kg, Maria Portela conseguiu impor dois shidos em Aoife Coughlan, da Austrália, mas sofreu o revés no Golden Score sofrendo três punições.  

No masculino, Eduardo Katsuhiro (73kg) perdeu para o campeão mundial Changrin An, da Coréia do Sul, que terminou a competição com o ouro, batendo o japonês Soichi Hachimoto na final.  

Eduardo Yudy Santos (81kg) não passou pelo italiano Antonio Esposito. 

Essa é a primeira competição do judô em 2021. Até o Jogos Olímpicos haverá mais cinco etapas de Grand Slam, um continental e um Campeonato Mundial, todos qualificatórios para as Olimpíadas. 

Programação  

4h - Preliminares

11h - Finais

Ao vivo - live.ijf.org 

Por: Assessoria de Imprensa da CBJ


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Pesquisa personalizada