sábado, 17 de abril de 2021

Campeonato Europeu 2021: Lisboa tem muito a comemorar no primeiro da de disputas


O primeiro dia do Campeonato da Europa Sénior de Judo 2021 trouxe-nos as esperadas surpresas e uma festa sensacional para os anfitriões, Portugal. 

-48kg
A categoria de -48kg terminou de forma infeliz, pois Distria KRASNIQI (KOS) perdeu a oportunidade muito esperada de enfrentar a rival Daria BILODID (UKR) na final. O que começou como um dia forte para Krasniqi acabou com um final decepcionante, já que ela havia se preparado para uma revanche contra o atual Campeão do Mundo na categoria de -48kg, porém Bilodid sofreu uma pequena lesão na semifinal que a impediu de competir pelo ouro. 

Apesar da disputa final, Krasniqi provou que é digna de sua posição de número um no ranking mundial e sem dúvida continuará seu reinado no futuro próximo, seu Campeonato Mundial e as perspectivas olímpicas parecem ótimas. 

As medalhas de bronze foram para Sabina GILIAZOVA (RUS) e Melanie CLEMENT (FRA). 

Distria KRASNIQI (KOS) conquistou seu primeiro título europeu.

-60kg 
Francisco GARRIGOS (ESP) deu início às comemorações espanholas arrebatando o merecido título europeu. Este troféu sênior agora está ao lado de seu título Júnior de 2014, mas o mais impressionante é sua quarta medalha europeia desde 2017, um bronze em Varsóvia, prata nos Jogos Europeus de 2019 e outro bronze brilhante no ano passado em Praga, após seu retorno às competições. 

Garrigos esperou pacientemente por esta grande vitória e ela não poderia ter vindo em melhor hora, com o Campeonato Mundial e os Jogos Olímpicos a apenas alguns meses de distância. Isso cimenta sua posição no topo da categoria e o coloca em uma ótima posição para o período de 2021. Adversário digno, Luka MKHEIDZE (FRA) travou uma luta forte que só ficou decidida após o placar de ouro. Recebendo as medalhas de bronze estavam a semente número um, Yago ABULADZE (RUS) e Karamat HUSEYNOV (AZE). 

-52kg
Apesar de suas habilidades e da medalha de prata olímpica, antes de 2020, uma medalha europeia escapou de Odette GIUFFRIDA (ITA), mas a atleta voltou com força e garantiu seu título europeu em Praga. Uma fogueira foi claramente acesa para ela enquanto lutava para chegar à final contra Amandine BUCHARD (FRA). Infelizmente, ela não foi capaz de continuar seu reinado quando Buchard fez dois ataques inevitáveis ​​e conquistou seu primeiro título europeu. Ela pode ter um histórico de vitórias contra a italiana, mas a considera uma rival digna, explicando que é claro que ela não é uma medalha de prata olímpica à toa! 

Não vimos Buchard desde o evento FIJ Masters em janeiro, pois ela machucou o pé e permaneceu fora do tatame por dois meses para garantir que estava em forma e pronta para os principais torneios de 2021, e aqui está ela, continuando sua sequência de vitórias. 

A primeira das medalhas de bronze foi para Gefen PRIMO (ISR), uma vitória emocionante para a jovem atleta que segue sua companheira de equipe Gilli COHEN por apenas algumas centenas de pontos no WRL, esta vitória reduzindo significativamente o espaço entre elas. PUPP Reka (HUN) já está garantida em seu lugar para os Jogos Olímpicos, mas foi um bronze continental impressionante e importante para ela. 

Amandine BUCHARD (FRA) continua sua sequência de vitórias na categoria -52kg.

-66kg
Manuel LOMBARDO (ITA) teve um desastre no seu último Campeonato da Europa, apesar de sentir que era o seu dia, saiu na primeira eliminatória com uma decisão muito infeliz. Desta vez, ele não cometeria erros. Suas rodadas preliminares foram fortes, simples e fáceis de decidir, então sua confiança estava no auge e ele estava feliz com sua preparação no mês anterior. A final não ia ser fácil, Lombardo classificou-se em 3º lugar e Vasha MARGVELASHVILI (GEO) em 2º. Este último se tornou campeão europeu no Campeonato Europeu de 2016 em Kazan e também estava em sua melhor forma, mas não era para ser. 

Em vez disso, Lombardo completou sua coleção de títulos continentais de cadetes, juniores e seniores e parece que estará no pódio nos Jogos Olímpicos. 

Outra medalha foi para a Espanha por meio de Alberto GAITERO MARTIN, mais uma grande atuação após seus sucessos no Grand Slam deste ano. Portugal já estava em clima de comemoração antes da final de Telma MONTEIRO, quando João CRISOSTOMO enfrentou uma difícil disputa pela medalha de bronze que quase foi ao contrário antes de uma mudança de decisão. 

-57kg
Na última disputa do dia, Telma MONTEIRO (POR) na categoria -57kg incendiou o estádio com a sua vitória de ouro. Foi incrível por uma infinidade de razões. Não só esta foi conquistada frente à sua equipe, federação e família nas tribunas, mas também foi o 6º título europeu de Monteiro e a 15ª medalha europeia em tantos anos, um feito incrível. 

Foi uma vitória emocionante para ela, mas foi uma prova de sua ética de trabalho e amor pelo esporte, o fato de mais uma vez ter ficado no topo em seu último Campeonato Europeu. 

O caminho para a final foi difícil, derrotando Nora GJACKOVA (KOS) em um placar de ouro extenuante, mas ela acabou por sair por cima, com a energia de sua equipe por trás dela. A medalha de prata foi para Kaja KAJZER (SLO), que teve um desempenho excepcional para derrotar Sarah Leonie CYSIQUE (FRA), mas se lesionou na final. Seus colegas medalhistas a carregaram até o pódio para coletar sua grande conquista. Cysique aceitou o primeiro bronze e o segundo foi para Gjackova. 

Um dia difícil para a portuguesa Telma MONTEIRO, mas ela roubou o show.

Ao todo, foi um ótimo primeiro dia para os melhores europeus e estabeleceu o padrão para o resto do torneio. Amanhã recebemos as categorias de -63kg, -70kg, -73kg e -81kg. 

Por: Thea Cowen - EJU


Brasil conquista mais sete pódios e é campeão geral do Campeonato Pan-Americano Sênior de Guadalajara


A seleção brasileira de judô teve mais um dia de muitas medalhas no Campeonato Pan-Americano Sênior de Guadalajara, no México. Depois dos sete pódios conquistados no primeiro dia, nesta sexta, 16, os judocas brasileiros faturaram mais sete medalhas, sendo quatro de ouro, duas de prata e uma de bronze. Com os resultados, o país foi campeão geral da competição, com sete medalhas de ouro, quatro de prata e três de bronze, além de três quintos lugares.  


O torneio continental reuniu cerca de 100 atletas de 20 países e distribuiu 700 pontos (campeão) no ranking de classificação para Tóquio 2020. Foi uma grande chance para os judocas brasileiros que ainda buscam entrar na zona de ranqueamento olímpico e para as duplas que disputam internamente a vaga do Brasil nos Jogos Olímpicos, uma vez que só pode ir um atleta por país por categoria.  

Nesta sexta, os pesados Rafael Silva “Baby” e Beatriz Souza foram campeões de suas categorias e devem somar alguns pontos no ranking. Eles disputam a vaga olímpica ponto a ponto com David Moura e Maria Suelen Altheman, respectivamente. Moura ficou com a prata e Suelen não esteve em Guadalajara dessa vez, pois já tinha sido campeã em 2020 e não poderia melhorar seu resultado. Dos dois Pan, apenas o melhor resultado será computado no ranking.  

Os outros dois ouros brasileiros vieram com judocas mais jovens, que não estão ainda diretamente na briga pela vaga em Tóquio, mas que aproveitaram bem a oportunidade de lutar um Pan-Americano pela primeira vez. O meio-médio Guilherme Schimidt, de 20 anos, venceu o experiente Emmanuel Lucenti, da Argentina, por estrangulamento, na final, para subir ao lugar mais alto do pódio continental pela primeira vez, assim como a peso médio Ellen Santana, de 22 anos, que superou a equatoriana Celina Corozo, para ficar com o título.  

Nessas categorias, o Brasil tem Eduardo Yudy Santos e Maria Portela como melhores colocados no ranking. Yudy recupera-se da infecção por Covid-19 e não foi ao Pan. Portela, por outro lado, foi campeã em 2020, mesma situação de Daniel Cargnin (66kg), Eric Takabatake (60kg) e Maria Suelen (+78kg).  

“Fiquei muito feliz com a convocação. Estava treinando forte no meu clube, cuidando do meu peso e sempre pronto para quando a oportunidade aparecesse. A oportunidade chegou e eu consegui fazer esse ouro aqui no México. Estou muito feliz. Consegui desenvolver tudo que venho treinando, me senti bem e estou sempre pronto para as próximas competições em busca dos meus objetivos”, avaliou Schimidt, que é atleta do Minas Tênis Clube (MG) e da seleção Sub-21, onde foi bronze no Mundial Júnior.  

Também estreante em continentais adultos, Ellen Santana, que vinha de um quinto lugar no Grand Slam de Tashkent, vê o ouro no Pan como um fator motivacional para as próximas etapas.  

“Com esse Start de primeira medalha eu sinto que ainda tem muito por vir, muito para construir e isso me puxa para frente, me motiva muito. As próximas etapas são mais desafios e carrego esse resultado como bagagem para encará-los da melhor forma, buscando o melhor desempenho possível”, projetou a judoca do Esporte Clube Pinheiros.  

Além deles, Rafael Macedo (90kg) e Leonardo Gonçalves (100kg) também subiram ao pódio pan-americano nesta sexta. Macedo ficou com a prata, caindo na final diante do dominicano Robert Florentino. Leo ficou com um dos bronzes do meio-pesado depois de cair para o americano Nathaniel Keeve, nas quartas-de-final. A disputa pela medalha seria com seu compatriota Rafael Buzacarini, que não se apresentou para o combate. Buzacarini recupera-se de uma fratura no dedo do pé e, como já tinha a prata do Pan de 2020, não poderia melhorar sua pontuação mesmo se conquistasse o bronze em 2021.  

Parte da equipe seguirá em Guadalajara neste final de semana para a disputa do Open Pan-Americano, competição com pontuação menor (100kg), mas que vale para o ranking olímpico. Nessa disputa, participarão Gabriela Chibana, Nathália Brígida, Jéssica Pereira, Ketelyn Nascimento, Ellen Santana, Renan Torres, Willian Lima e Guilherme Schmidt. 

As próximas etapas do Circuito Mundial até os Jogos Olímpicos são o Grand Slam de Kazan, na Rússia, em maio, e o Campeonato Mundial de Budapeste, em junho, fechando o ranqueamento olímpico. A lista deve ser atualizada na próxima segunda-feira, com os resultados do Pan, do Asiático, do Africano e do Europeu, que está em andamento neste final de semana, em Lisboa. 

RESULTADO FINAL BRASIL - PAN-AMERICANO SÊNIOR - GUADALAJARA 2021 

OURO
Larissa Pimenta (52kg) 
Willian Lima (66kg)
Ketleyn Quadros (63kg)
Ellen Santana (70kg)
Beatriz Souza (+78kg)
Guilherme Schimidt (81kg)
Rafael Silva Baby (+100kg)

PRATA
Gabriela Chibana (48kg)
Ketelyn Nascimento (57kg)
Rafael Macedo (90kg)
David Moura (+100kg)

BRONZE
Nathália Brígida (48kg) 
Jéssica Pereira (57kg)
Leonardo Gonçalves (100kg)

5º lugar
Renan Torres (60kg)
Aléxia Castilhos (63kg)
Rafael Buzacarini (100kg)

QUADRO GERAL DE MEDALHAS
1º LUGAR GERAL - 7 OUROS, 4 PRATAS E 3 BRONZES 

Por: Assessoria de Imprensa da CBJ
Foto: Vanessa Zambotti/CPJ

sexta-feira, 16 de abril de 2021

Campeonato Europeu 2021: Daria Bilodid garante a medalha de prata


A bicampeã mundial, que não conquista um título há mais de um ano, desistiu da final do campeonato europeu de judô de 2021 em Lisboa. Daria Bilodid perdeu a chance de conquistar seu terceiro título europeu de judô após desistir da final pela medalha de ouro sub48kg em Lisboa, Portugal.

A segunda cabeça-de-chave de 20 anos pareceu sofrer uma lesão no braço enquanto levantava sua oponente Irina Dolgova durante a semifinal na sexta-feira.

"Poucos segundos antes do final do tempo eu fiz ippon, então antes que o árbitro marcasse o ponto, meu oponente fez um movimento que machucou meu cotovelo", disse Bilodid após a cerimônia de medalha.

“Decidi junto com meus pais não lutar na final, porque agora o mais importante é me manter saudável e me preparar para as próximas competições. Agora a saúde é minha prioridade”.

A lesão impediu a ucraniana de defrontar Distria Krasniqi, número um do mundo do Kosovo, naquela que foi a partida mais esperada do dia.

A caminho da final, Bilodid derrotou a italiana Francesca Milani, a eslovena Marusa Stangar e a duas vezes medalhista de prata europeia Dolgova.

A bicampeã olímpica estava tentando ganhar seu primeiro título desde o Grand Slam de Paris em fevereiro de 2020.

Desde que as competições de judô foram retomadas após uma pausa para a pandemia COVID-19, Bilodid - que perdeu o Campeonato Europeu de 2020 em Praga por doença - coletou duas medalhas de bronze (uma na classe U52kg superior em Budapeste) e uma de prata, em fevereiro em Tel Aviv.

“Foi um ano difícil depois da pandemia, era difícil entender que por mais um ano devemos estar prontos, devemos treinar forte”, disse ela.

“Para mim este ano tem sido mais difícil, ainda estou sem medalha de ouro neste ano e é difícil para mim, mas hoje me senti muito bem. Para mim hoje não era importante ter ouro, mas foi importante para ver que estou em boa forma, que sou forte e posso vencer. "

Bilodid, que venceu 12 dos 13 eventos em que participou de novembro de 2017 até fevereiro de 2020, explicou por que está lutando até agora.

“Mudou tudo. Não temos a mesma preparação de antes, não temos os mesmos campos de treino internacionais, temos regras diferentes, agora temos muitos testes COVID em todas as competições, não podemos sair do nosso hotel... Por isso é muito difícil mentalmente compreender mentalmente que o mundo mudou. Mas agora está melhor e espero que tudo seja como antes. "

Bilodid não decidiu em quais torneios ela entrará antes da competição olímpica de judô começar em 24 de julho no Budokan em Tóquio.

Ela deve enfrentar uma competição acirrada em uma categoria que inclui Krasniqi em forma, a campeã europeia da França em 2020, Shirine Boukli, e a campeã mundial do Japão em 2017, Tonaki Funa.

Foto: Emanuele Di Feliciantonio

Campeonato Europeu 2021: Telma Monteiro conquista o título no primeiro dia.


Portugal teve um início fantástico do Campeonato da Europa em Lisboa. A medalha de ouro de Telma Monteiro foi o grande desejo que a organização fez e Monteiro mais uma vez realizou para se tornar o melhor da Europa. Na final, ela derrotou a eslovena Kaja Kajzer na categoria U57kg.

Monteiro, no entanto, talvez tenha tido sua disputa chave na semifinal contra a favorita ao título, Nora Gjakova, de Kosovo. A veterana portuguesa e medalhista de bronze carioca foi a vencedora do pool ao derrotar a belga Mina Libeer, que também teve um grande dia. A primeira luta de Monteiro foi contra Sabrina Filzmoser, de 40 anos, que estava perto de marcar contra Monteiro, mas seu wazari foi dispensado e, finalmente, Filzmoser desistiu aos quatro minutos do tempo regular. Filzmoser teve seu 24 º Campeonato Europeu, no qual ela levou 9 medalhas.

A própria campeã é uma rainha na arrecadação de medalhas nos europeus também. Com a sua sexta medalha de ouro na Europa, deu a Portugal a sua estrela de sonho naquele que é considerado o seu último Campeonato da Europa. Monteiro reclamou 15 medalhas a nível europeu, incluindo a prata do ano passado em Praga que diz que Monteiro ainda conta e poderá chegar ao bloco final no terceiro dia dos Jogos Olímpicos em cerca de 100 dias.

Apesar da falta de torcida em casa, as comemorações foram incríveis com o time depois de um dia de sonho.

A luta pelo bronze na categoria U57kg entre Nora Gjakova do Kosovo e Eteri Liparteliani foi vencida por Gjakova como esperado apesar da boa forma de Liparteliani. Sarah Cysique da França e a belga Mina Libeer lutaram pelo segundo bronze que foi conquistado por Cysique, que também se desenvolveu rapidamente, mas o talento francês levou o bronze na Arena de Lisboa.

Na verdade, esta categoria não foi muito surpreendente, apesar da posição final para Kajzer, que está em ascensão. Se superou Flaka Loxha, a segunda mulher do Kosovo no primeiro turno. Ela avançou nas quartas de final com uma vitória sobre Anna Kuczera da Polônia. A israelense Timna Nelson Levy foi posta de lado por Kajzer antes de chegar à final contra o jogador de classe mundial Cysique, dando a Kajzer a confiança de que ela precisava para fazer acrobacias em Tóquio nos Jogos Olímpicos.

Foto: Carlos Alberto Matos / Federação Portuguesa de Judô

Eleições FPJ: Confira nota de esclarecimento da Chapa RenovaJudô


A Chapa Renova Judô esclarece que a extinção da ação judicial sem resolução de mérito mencionada em um canal de mídia se deu a pedido dos próprios autores da ação e da chapa de oposição, e não para inocentar quem quer que seja.
 
Muito ao contrário, com esse despacho judicial há o reconhecimento da Justiça de São Paulo da cláusula e Juízo Arbitral exercido pelo STJD do Judô, que decretou intervenção na Federação Paulista de Judô (FPJ), em decisão publicada no site da Confederação Brasileira de Judô (CBJ) em 02/04/2021. 

Em outras palavras, o Poder Judiciário decidiu que o STJD do Judô tem legitimidade para deliberar sobre conflitos associativos na FPJ e a INTERVENÇÃO É LEGÍTIMA. Ou seja foi decidida dentro da lei, dos estatutos da FPJ e CBJ em razão de mandato encerrado da gestão anterior em 31 de março de 2021 e para apuração de irregularidades na entidade.

As consequências da desinformação, e sobretudo do descumprimento da decisão do STJD do Judô e das determinações do Interventor, vai gerar problemas para a entidade e para as pessoas físicas desobedientes. 

Os filiados da FPJ devem estar cientes e conscientes de que o que vale, legal e judicialmente na FPJ, são as deliberações constantes da RESOLUÇÃO DE INTERVENÇÃO publicada no Diário Oficial de SP em 13/04/2021, página 70, a saber:

"Resolve: 1. Cancelar a realização da Assembleia Ordinária eletiva, marcada para o dia 23 de abril de 2021. Nova data será definida oportunamente, e convocada conforme previsão legal e estatutária. 2. Dissolver a Comissão Eleitoral nomeada por Edital datado de 09/03/2021. 3. Nomear como membros da nova Comissão Eleitoral apartada da diretoria, os advogados especializados em Direito Desportivo: Fernando Francisco da Silva Junior - OAB/DF n.13.781. William Figueiredo de Oliveira – OAB/RJ n. 84.529. João Guilherme Guimarães Gonçalves OAB/SP n. 239.882. 3. Ficam mantidas as chapas já homologadas, sem prejuízo de eventual revisão por parte da nova Comissão Eleitoral. 4. O descumprimento da decisão do Exmo. Presidente do STJD/Judô poderá acarretar punição aos infratores nos termos do artigo 223 do CBJD: Art. 223. Deixar de cumprir ou retardar o cumprimento de decisão, resolução, transação disciplinar desportiva ou determinação da Justiça Desportiva. (Redação dada pela Resolução CNE nº 29 de 2009). PENA: multa, de R$ 100,00 (cem reais) a R$ 100.000,00 (cem mil reais). (NR). Parágrafo único. Quando o infrator for pessoa natural, a pena será de suspensão automática até que se cumpra a decisão, resolução ou determinação, além de suspensão por noventa a trezentos e sessenta dias e, na reincidência, eliminação. (NR). Submetido e aprovado pelo Juízo Arbitral. São Paulo, 06 de abril de 2021. Caio Pompeu Medauar de Souza - Interventor nomeado."

Clique aqui para ler o documento também publicado no site da CBJ.

Clique aqui para ir ao site da imprensa oficial do Governo do Estado de São Paulo e selecione a página 70.

Clique a imagem para ampliar e ler a decisão da Juíza 

A ação para ampliação do mandato movida pelo ex-presidente da gestão que encerrou o mandato em 31/03/2021 ou a sua designação como administrador provisório foi extinta com uma excelente explicação da Juíza, cujo documento segue abaixo na íntegra:



Clique nas imagens para ampliar e ler 



Restrito ao exposto para o restabelecimento da verdade e da transparência.

Por: Chapa RenovaJudô


Tenório: 'Sensação é de ter vencido várias Paralimpíadas contra a Covid'

 

Antônio Tenório não chegou ao posto de maior judoca paralímpico de todos os tempos à toa. Foram muitos os adversários, em cima e fora dos tatames, que ele teve de derrubar física e mentalmente. Mas o novo coronavírus se mostrou, certamente, o mais difícil de todos. Após receber alta na última quinta-feira (15), exatos 17 dias após ter dado entrada no hospital, o atleta só pensa em uma coisa: voltar a competir.

"A sensação é de ter nascido novamente, de ter ganhado várias Paralimpíadas contra a Covid-19. Sair com vida do hospital depois de ter passado duas semanas na UTI com 80% dos pulmões comprometidos foi uma das melhores sensações que já tive. Foi uma lição de vida tremenda para mim", diz o dono de seis medalhas paralímpicas (quatro ouros, uma prata e um bronze), que passou 15 dias respirando com auxílio de oxigênio.

O quadro dele lembrou o de muitos casos relacionados ao vírus que já atingiu quase 14 milhões de brasileiros: os primeiros dias foram de sintomas mais leves, até evoluir subitamente para a falta de ar. No dia 28 de março, nove dias após o início dos sintomas, ele buscou ajuda médica em uma Unidade Básica de Saúde (UBS). De lá, foi transferido a um hospital para receber cuidados intensivos.

"Posso dizer que esse vírus que está assolando o mundo é um dos adversários mais difíceis que o mundo já teve, não só o Tenório. Temos muitos entes queridos morrendo, pessoas sofrendo no hospital. É momento de termos consciência de que a vida é o mais importante", ressalta.

Competitivo que é, Tenório espera, agora, recuperar-se a tempo do GP de Baku, no Azerbaijão, que acontecerá no fim de maio. Parece pouco tempo, mas difícil duvidar de quem segue batendo oponente atrás de oponente há mais de 50 anos. Depois, em agosto, ele participará de sua sétima edição de Jogos Paralímpicos, no Japão, o berço do judô.

"Agora é voltar para a reabilitação. Já começo a fazer fisioterapia para, assim que possível, poder retornar aos treinos", completa o atleta da categoria até 100 kg.

Por: Renan Cacioli - Comunicação CBDV


FIJ: Primeiro Evento de Avaliação da Coalizão de Esporte para Refugiados


A Olympic Refuge Foundation (ORF) e a UN Refugee Agency (ACNUR) recentemente (14-15 de abril) organizaram o 'Evento de Avaliação da Coalizão do Esporte para Refugiados 2021', no qual a IJF participou e Nicolas Messner, como Diretor de Judô para a Paz, foi um dos palestrantes.

"Neste ano turbulento, o esporte provou ser vital para nós para restaurar a saúde física e mental, construir resiliência e trazer solidariedade e esperança, em particular para pessoas deslocadas à força que vivenciaram e continuam a experimentar conflitos e incertezas prolongadas", disse o organizadores do evento.

À medida que se aproxima a marca de dois anos do Fórum Global de Refugiados, em 2021, todas as entidades que prometem esportes foram reunidas para reconectar e revitalizar a Coalizão do Esporte para Refugiados como um todo, para trabalhar juntos na construção de um mundo melhor para os refugiados, através do esporte.

Durante este primeiro evento virtual da Coalizão do Esporte para Refugiados, houve uma reflexão muito positiva sobre o primeiro ano desde que o Fórum Global de Refugiados (GRF) foi realizado e os holofotes foram voltados para alguns dos avanços feitos pelos membros, transformando promessas em concreto e atividades impactantes.

Nicolas Messner apresentou a estrutura e filosofia do Judô pela Paz a todos os participantes, ao mesmo tempo em que destacou o trabalho concreto realizado no campo nos diferentes programas de Judo para Refugiados, incluindo Turquia, Síria, Jordânia, Zâmbia, Malawi e África do Sul.

Em 2019, a IJF foi uma das primeiras organizações a prometer apoio aos refugiados antes do primeiro Fórum Global de Refugiados, realizado em Genebra em dezembro do mesmo ano ( https://www.ijf.org/news/show/ijf-pledge-support-for-refugees-ahead-of-first-ever-global-refugee-forum ).

As promessas são as seguintes:

- Promover e garantir o acesso de todos os refugiados, sem distinção de qualquer espécie, a instalações esportivas seguras e inclusivas.

- Aumentar a disponibilidade e o acesso a esportes organizados e iniciativas baseadas no esporte para refugiados e comunidades de acolhimento, considerando ativamente a idade, gênero, habilidade e outras necessidades de diversidade.

- Promover e facilitar o acesso e a participação dos refugiados em eventos e competições esportivas em todos os níveis.

O esporte e o judô podem proporcionar aos deslocados à força e às comunidades que os hospedam um lugar mais seguro para viver e valores para crescer. É isso que a FIJ está fazendo com seu programa Judô pela Paz. Continuaremos a trabalhar dessa forma no futuro, porque estando juntos e unidos podemos realmente mudar o mundo e torná-lo um lugar melhor.

Por: Nicolas Messner - Federação Internacional de Judô

GUADALAJARA 2021 - Brasil conquista três ouros, duas pratas e dois bronzes no primeiro dia de Pan-Americano


O judô brasileiro estreou bem no Campeonato Pan-Americano Sênior, em Guadalajara, México, nesta quinta-feira, 15. Todos os nove judocas que lutaram no primeiro dia chegaram às disputas por medalhas e arremataram sete pódios para o Brasil. Foram três ouros, duas pratas e dois bronzes conquistados pela seleção brasileira e o país lidera o quadro geral de medalhas.  

Os destaques do dia ficaram com os campeões Larissa Pimenta (52kg), Willian Lima (66kg) e Ketleyn Quadros (63kg), que arremataram os 700 pontos do Pan para o ranking mundial classificatório para os Jogos Olímpicos.  

As pratas vieram com Gabriela Chibana (48kg) e Ketelyn Nascimento (57kg), enquanto Nathália Brígida (48kg) e Jéssica Pereira (57kg) levaram as medalhas de bronze e fizeram a dobradinha brasileira nos pódios do 48kg e do 57kg.  

Renan Torres (60kg) e Aléxia Castilhos (63kg) também chegaram às disputas por bronzes, mas terminaram em quinto lugar.  

O Pan de Judô continua nesta sexta-feira, 16, com mais oito brasileiros em ação a partir das 17h (Brasília). 

A competição, que vale 700 pontos para o ranking de classificação olímpica para Tóquio, conta com 117 atletas de 20 países. 

Estreia do Judô no Canal Olímpico do Brasil 

O Pan marcou a estreia do judô nas transmissões ao vivo do Canal Olímpico do Brasil, a plataforma oficial de streaming do Comitê Olímpico do Brasil. Todas as lutas foram exibidas, narradas por Guilherme Maia e comentadas pelo medlahista olímpico e mundial do Judô, Leandro Guilheiro.  

O segundo dia também será transmitido na íntegra para o Brasil pelo Canal Olímpico. O fã do judô pode assistir, torcer e interagir com a transmissão pelo Twitter mandando mensagens com a hashtag #CanalOlimpicoDoBrasi

Veja abaixo os resultados de todos os brasileiros no primeiro dia do Campeonato Pan-Americano Sênior de Guadalajara 

48kg 
Gabriela Chibana estreou com vitória por ippon sobre Nemesis Candelo, do Panamá, e superou Estefania Soriano, da República Dominicana, por waza-ari, para chegar á final. Na decisão pelo ouro com a chilena Mary Dee Vargas Ley, a brasileira sofreu três punições e ficou com a prata. 

Retornando às competições depois de um longo período recuperando-se de lesões, Nathália Brígida venceu Luz Pen, da Venezuela, na estreia e parou na chilena Vargas Ley, na semifinal, indo para a disputa de bronze. Na luta pela medalha, ela venceu Jacqueline Solis, da Guatemala, para voltar a subir ao pódio.  

52kg
Larissa Pimenta estreou com vitória nas punições contra Aracely Barrionuevo, do Equador, e jogou Katelyn Jarrel, dos Estados Unidos, por ippon, na semifinal.  

Na decisão pelo título, Pimenta ficou em desvantagem de duas punições, mas reagiu com um belo ippon sobre Angelica Delgado, dos Estados Unidos, para conquistar seu segundo ouro pan-americano. 

57kg
Ketelyn Nascimento venceu Kelly Deguchi, do Canadá, por waza-ari, nas quartas-de-final, assim como Jéssica Pereira, que superou Cynthia Rahming, de Bahamas. 

As duas se enfrentaram na semifinal e Ketelyn levou a melhor, projetando Jéssica por ippon para ir à final em busca dos 700 pontos no ranking mundial.  

Na decisão, Ketelyn encarou a cubana Arnaes Odelin Garcia num combate de mais de 10 minutos que terminou com vitória da cubana nas punições.  

Jéssica, por outro lado, lutou pelo bronze e imobilizou Julieta Perez, do México, para repetir o resultado de 2020. 

63kg
Ketleyn Quadros estreou com vitória por waza-ari sobre Sofia Arévalo, do México, e avançou à semifinal, onde encontrou sua compatriota Aléxia Castilhos, que havia batido Estefania Garcia, do Equador, por ippon.  

No confronto brasileiro, Ketleyn levou a melhor sobre Aléxia, vencendo nas punições (3-2), para chegar à final. A basiliense manteve o bom ritmo de luta e se impôs diante da mexicana Prisca Awiti Alcaraz, projetando-a por waza-ari para conquistar seu primeiro título pan-americano. 

Aléxia disputou o bronze com a americana Alisha Galles e, em uma posição dividida, acabou sofrendo o waza-ari e ficou sem a medalha. 

60kg
Renan Torres estreou com vitória sobre Jose Ramos, da Guatemala, por waza-ari, mas caiu na semifinal diante de Lenin Preciado, do Equador, e deixou escapar a medalha no duelo com Moises Rosado, do México, pelo bronze.  

66kg
Willian Lima venceu Ari Berliner, dos Estados Unidos, por waza-ari, na estreia, e passou por Wander Matteo, da República Dominicana, por ippon, para avançar à final. 

Na decisão, o brasileiro foi dominante, pontuou um waza-ari e imobilizou Orlando Polanco, de Cuba, para conquistar seu primeiro título pan-americano na classe sênior, aos 21 anos. 

MEDALHAS 1º DIA - PAN-AMERICANO SÊNIOR - GUADALAJARA 2021 

OURO
Larissa Pimenta (52kg) 
Willian Lima (66kg)
Ketleyn Quadros (63kg)

PRATA
Gabriela Chibana (48kg)
Ketelyn Nascimento (57kg)

BRONZE
Nathália Brígida (48kg) 
Jéssica Pereira (57kg)

5º lugar
Renan Torres (60kg)
Aléxia Castilhos (63kg)

Por: Assessoria de Imprensa da CBJ

quinta-feira, 15 de abril de 2021

WJC: Confira a live que apresentou a equipe de transmissão do World Judo Challenge


Mais uma live super descontraída e divertida sob comando dos organizadores e idealizadores do World Judo Challenge, nesta quinta-feira foi dia de apresentar a equipe que cuidará da transmissão do WJC. O Locutor Lucas Latan, a Tatami Girl Claudia Fanny, o repórter de tatami e entrevistador Caio Perondi e os comentaristas Marcos Hungaro e Edinanci Silva. 

Uma equipe de peso para dar o máximo de entretenimento junto com as lutas dos cinco cards que serão de alto nível e muito, muito interessantes. 

Os participantes da live dessa noite deram uma pequena mostra de como atuarão na competição e guardaram algumas surpresas para o dia. E o público mais uma vez participou ativamente da live tirando suas dúvidas e pondo fogo no tatami!

Clique aqui e assista a gravação da live!

Por: ASCOM WJC

Mayra Aguiar pode voltar a competir no Grand Slam de Kazan, em maio


Oito meses após operar o joelho esquerdo, Mayra Aguiar finalmente vislumbra o retorno às competições. No dia 22 de abril a meio pesado voltará ao ambiente da seleção brasileira de judô num camping de treinamento em Pindamonhangaba, em São Paulo. Lá serão feitas avaliações técnicas que podem selar a inscrição no Grand Slam de Kazan, na Rússia, de 5 a 7 de maio.

- A gente ainda está avaliando se vai ser essa a primeira competição. Vai ter uma avaliação técnica no treino em Pindamonhangaba com os técnicos da seleção e lá vamos bater o martelo para saber se será essa a competição. Vai ser uma competição bem dura. No ano olímpico todo mundo quer buscar pontos no ranking para ir para as Olimpíadas e para a classificação das chaves – disse Mayra.

Clique aqui e confira a matéria na íntegra.

Por: Por: Helena Rebello - Globo Esporte - Rio de Janeiro

Eleições FPJ: Hoje tem reunião aberta com a chapa RenovaJudô às 20h.

 

HOJE, 15 de abril, a chapa Renova Judô realizará reunião aberta para debater ideias e propostas para a gestão do judô de São Paulo e convida todos os interessados para participar.

Será a partir das 20h, na plataforma Zoom.

Conheça a proposta da chapa, tire dúvidas e fique à vontade para expor sugestões. Será uma reunião para falar sobre o judô e tudo o que for importante para agregar e melhorar a gestão da modalidade no estado de São Paulo. 

Serviço:
Reunião Aberta - Debate das Propostas do RenovaJudô
Data: 15 de abril - Quinta-feira
Horário: 20h
Local: Plataforma Zoom
https://zoom.us/j/92266428267?pwd=UlBYU2hnY1Zjd25wWmNZaHYxdk9qdz09
Meeting ID: 922 6642 8267
Passcode: 708712

Por: ASCOM RenovaJudô


ASSISTA AO VIVO - 1º dia do Campeonato Pan-Americano Sênior de Guadalajara


Começa, nesta quinta-feira, 15, a disputa do Campeonato Pan-Americano Sênior de Judô, em Guadalajara, no México. Nesse primeiro dia, o judô brasileiro será representado por nove judocas: Nathália Brígida (48kg), Gabriela Chibana (48kg), Larissa Pimenta (52kg), Aléxia Castilhos (63kg), Ketleyn Quadros (63kg), Renan Torres (60kg) e Willian Lima (66kg). 

O Canal Olímpico do Brasil transmite todas as lutas online, gratuitamente, a partir das 17h (horário de Brasília), com comentários do medalhista olímpico e mundial, Leandro Guilheiro. 


A competição, que vale 700 pontos para o ranking de classificação olímpica para Tóquio, contará com 117 atletas de 20 países. 

Confira os primeiros confrontos dos brasileiros nesta quinta: 

60kg
Renan Torres x José Ramos (GUA)

66kg
Willian Lima x Ari Berliner (EUA) ou Robin Jara (MEX)

48kg
Gabriela Chibana x Nemesis Candelo (PAN)
Nathália Brígida x Luz Pena (ECU) 

52kg
Larissa Pimenta x Aracely Barrionuevo (VEN) ou Amelie Grenier (CAN) 

57kg
Ketelyn Nascimento x Kelly Deguchi (CAN)
Jéssica Pereira x Cinthia Rahming (BAH)

63kg
Ketleyn Quadros x Sofia Arevalo (MEX) 
Aléxia Castilhos x Estefania Garcia (ECU) 

Por: Assessoria de Imprensa da CBJ

Vem aí o Webnário Arbitragem de Judô Funcional


A Confederación Sudamericana de Judo/Judo SUR, realizará o Webnário Arbitragem de Judô Funcional, online, na plataforma Zoom.

Tópico: Seminario: Arbitraje JUDO FUNCIONAL

Descrição: Sob a coordenação do CSJ, Diretoria de Arbitragem a cargo do Mestre Edison MINAKAWA. Um painel seleto desenvolverá o conteúdo do Seminário de Arbitragem Funcional de Judô.

Data e Horário: 24 de abril de 2021 (sábado) 18h00 em Buenos Aires.

Clique aqui para se inscrever.

Por: Confederación Sudamericana de Judo / Judo SUR

WJC: Hoje tem Live de apresentação do time de transmissão do World Judo Challenge


ATENÇÃO FÃS DO JUDÔ TRADICIONAL! 
Hoje é dia de #WJCLIVE! 

A partir das 20h, estaremos AO VIVO no Instagram para apresentar o time de talentos que vai fazer parte da transmissão da primeira edição do World Judô Challenge!

Venha conhecer as figuras que vão fazer da transmissão do WJC ainda mais insana e descontraída.

✅ Narrador
✅ Entrevistador
✅ Tatame Girl
✅ Comentaristas

E você ainda terá a chance de conhecer a SURPRESA OLÍMPICA que vai participar do evento ao lado do nosso time!

Fique atento às nossas próximas lives!

🗓️ 20/04 - 20h - Live com convidados especiais para falar do #WJC1
🗓️ 27/04 - 20h - Live com convidados especiais para falar do #WJC1

Por: ASCOM WJC

Campeonato Europeu 2021: Federação Portuguesa continua na contagem regressiva!


É amanhã!

"Estou ansioso para chegar ao dia da competição". Jorge Fonseca -100kg

Até ao grande dia, como no Natal, vamos fazendo a contagem regressiva, partilhando as palavras dos protagonistas!

Por: Federação Portuguesa de Judô

Cabeça a cabeça com Julia Figueroa X Laura Martinez Abelenda


Esta semana veremos algumas decisões importantes tomadas para as seleções olímpicas com base nas atuações no Campeonato Europeu 2021. Outra disputa acirrada pode ser vista na seleção espanhola entre as mulheres leves, Julia FIGUEROA e Laura MARTINEZ ABELENDA. 

Classificados em 6º e 12º lugar respectivamente no ranking olímpico, as duas novas ainda competem pela vaga olímpica com a mais jovem das duas Laura, perseguindo sua rival. Embora Julia tenha um bronze europeu de Minsk em 2019 durante os Jogos Europeus, Laura desde então deixou sua marca ao se tornar a mais jovem medalhista espanhola na turnê da FIJ com apenas 20 anos de idade. 

Laura Martinez (c) Gabriela Sabau

Este ouro do Grand Slam para Laura foi a primeira de suas duas medalhas da turnê FIJ, conquistadas em Baku 2019. No período de qualificação, ela se tornou a medalha de prata júnior europeia e mundial e fez uma rápida transição para sênior com tanto sucesso que ela poderia estar representando Espanha em Tóquio no final deste ano. Sua experiência em Tóquio durante o Campeonato Mundial de 2019 certamente será um guia reconfortante, vencendo quatro de seus seis campeonatos, vencendo nomes como Irina DOLGOVA (RUS) e GALBADRAKH Otgontsetseg (MGL). 

Julia Figueroa (c) Marina Mayorova

Claro que isso ainda será uma grande tarefa, ela ainda é relativamente nova e compete contra a experiência da companheira de equipe Julia, que tem um número impressionante de 18 medalhas no FIJ Tour, que remonta a 2013 com sua primeira medalha de bronze no Grand Prix em Jeju. Ela não teve o melhor momento nas Olimpíadas anteriores, no Rio de Janeiro, saindo do primeiro turno, mas se recuperar em Tóquio estará em sua mente.

Será interessante ver qual atleta a Federação Espanhola acabará escolhendo, seja com base na pontuação ou nas principais medalhas conquistadas no último ano de qualificação. 

Autor: Thea Cowen - EJU


FIJ: O que eu acredito (2)


Há pouco tempo Leandra Freitas ainda era judoca profissional. Não faz muito tempo, Grace Goulding nunca tinha usado um judogi. Há pouco tempo Gabriela "Gabi" Sabau os imortalizou em uma foto juntos. Falamos com os três há não muito tempo.

Gabriela Sabau

Gabi, da Romênia, é aquela mulher que corre de um lugar para outro, metralhando com sua câmera todos os judocas do Tour Mundial de Judô. É muito fácil localizá-la em um estádio porque ela sempre encontra os melhores lugares para acionar a câmera. Depois de muitos anos, ela entendeu a dinâmica dos profissionais e é capaz de antecipar os gestos antes que eles ocorram. Quando ela pressiona o botão, ela geralmente está certa e o resultado fala por si. Com ela, uma imagem vale sempre mais que mil palavras. 

Leandra, de Portugal, é a definição de adaptação. Por ter competido no mais alto nível, ela pensa e sente coisas como quem ainda está ativo: a fúria da derrota, a euforia da vitória, o gosto do suor e a exaustão do esforço extremo. Ela tem várias cordas no arco, ela faz de tudo. Os programas infantis, promovidos pela federação internacional, têm a assinatura de Leandra. Ela também dá entrevistas porque conhece todos do Circuito Mundial de Judô e tem acesso direto. Como judoca, ela faz as perguntas certas às pessoas certas. 

Por falar em multitarefa, está Grace, dos Estados Unidos, cujo papel também é multifacetado. Além de divulgar imagens para a mídia de todo o mundo, ela realiza entrevistas que sempre se tornam virais nas redes sociais, enquanto mantém convidados e atletas à distância nas cerimônias de entrega de medalhas. 

Todos os três trabalham para a Federação Internacional de Judô. O que começou como um trabalho transformou-se em paixão, daí a qualidade do trabalho realizado e claro que eles têm uma opinião. 

Leandra Freitas

Se você tivesse que fazer um resumo desta temporada especial, com apenas alguns torneios essenciais, qual seria? 

“Lembro-me do que senti quando fui para o Grand Slam na Hungria. Foi a primeira competição após um longo período de lockdowns e no início senti medo pelo desconhecido. Como será a competição; será seguro? Mas após os primeiros 5 minutos da minha chegada, tudo mudou. Eu vi todas as pessoas felizes e otimistas; todos ficaram felizes por poder viajar de novo, ver seus amigos, colegas, finalmente ver um pouco de judô e competir, fazer o que eles amam e me senti seguro e entusiasmado. Não é fácil viajar e participar de eventos por causa de todos os testes da Covid que temos que fazer. É difícil encontrar voos. Temos que ficar apenas no hotel ou local, mas depois de passar por todos esses 'obstáculos' e você se encontrar no meio de um grande local, 

Isso é o que Gabi diz. Em suma, medo, felicidade, otimismo, uma escala móvel de sensações e uma confissão de coração aberto. É uma reação humana e uma análise completa. 

Leandra põe o dedo onde dói mais. Por isso, quisemos falar com ela, assim como com os demais integrantes da equipe da IJF, pois todos estão cientes da dificuldade desses momentos e fazem o impossível para amenizar tristezas e iniciar sorrisos. Todos esses esforços merecem ser publicados para que o mundo inteiro saiba. 

“Sem dúvida foi um ano muito diferente para todos. Era e ainda é uma questão de nos adaptarmos e de vivermos um pouco mais limitados. A pandemia ainda está ativa, mesmo que tenhamos possíveis vacinas. As pessoas estão perdendo seus entes queridos para a Covid, seus empregos e alguns deles também perdendo a cabeça. A pandemia está privando as crianças da escola, dos amigos e dos esportes e, no nosso caso, do judô. Precisamos ver que em alguns países a escola é o lugar onde as crianças podem fazer três refeições por dia gratuitamente, então também isso tem sido diferente e difícil de administrar para os pais e famílias carentes. O FIJ WJT conseguiu voltar, com muitos protocolos. Trouxe esperança para todos os atletas, treinadores e equipe que trabalham nos bastidores, mas também trouxe algum treinamento para as pessoas, fãs de judô, crianças, com muitos capazes de ter um pouco de judô transmitido ao vivo de ou para suas casas desde que o Tour começou no ano passado com o Grand Slam da Hungria. Também tivemos muito conteúdo infantil online, com o Great8, que divertia as crianças com pedidos para ilustrar os valores do judô. Muitos dos desenhos incluíam o vírus sendo lançado para o ippon, refletindo a visão das crianças sobre o vírus e a pandemia. Também tivemos a liga JudoFit Kids Golden, que desafiou os mais novos a fazerem exercícios físicos em casa. Como uma visão geral, acho que o tema que usamos para o Dia Mundial do Judô foi o verdadeiro resumo do ano. # fortemente juntos, somente juntos podemos enfrentar esta pandemia. " que divertia as crianças com pedidos para ilustrar os valores do judô. Muitos dos desenhos incluíam o vírus sendo lançado para o ippon, refletindo a visão das crianças sobre o vírus e a pandemia. Também tivemos a liga JudoFit Kids Golden, que desafiou os mais novos a fazerem exercícios físicos em casa. Como uma visão geral, acho que o tema que usamos para o Dia Mundial do Judô foi o verdadeiro resumo do ano. # fortemente juntos, somente juntos podemos enfrentar esta pandemia. " que divertia as crianças com pedidos para ilustrar os valores do judô. Muitos dos desenhos incluíam o vírus sendo lançado para o ippon, refletindo a visão das crianças sobre o vírus e a pandemia. Também tivemos a liga JudoFit Kids Golden, que desafiou os mais novos a fazerem exercícios físicos em casa. Como uma visão geral, acho que o tema que usamos para o Dia Mundial do Judô foi o verdadeiro resumo do ano. # fortemente juntos, somente juntos podemos enfrentar esta pandemia. " 

Talvez por modéstia ou para permanecer fiel à sua ética profissional ao responder, Grace se concentra mais em como o calendário foi feito, mas não se preocupe, ela está apenas se aquecendo. 

“A temporada passada foi única por muitos motivos. Não apenas houve mais grand slams, mas esta também é a primeira vez que haverá um Campeonato Mundial realizado como evento de qualificação final antes dos Jogos Olímpicos. Portanto, o que vemos, apesar de haver apenas alguns eventos, é que todos eles são extremamente valiosos, então as apostas são mais altas agora do que nunca. " 

O calendário, a pandemia e a volta do judô, isso é o que existe e o que sabemos. Vamos, agora, com o que não sabemos. 

Grace Goulding

O que você acha que vai acontecer no Japão? Conte-nos suas previsões.

“Dada a imprevisibilidade do judô e da evolução do ano passado, acho que Tóquio trará muitas surpresas. Existem muitas categorias altamente disputadas que serão particularmente interessantes de seguir, como -81kg, -70kg e -90kg, já que vimos uma variedade de indivíduos ganhando ouro nesta última temporada ”, disse Grace.

É técnica mas sem nomes, como se fosse uma discípula da corrente messneriana. (Leia o capítulo anterior).

Uma escola com a qual, aparentemente, Leandra também se identifica, “Acho que acontecer o Tokyo2020 é um ato muito corajoso; é fantástico. Eu sei que a situação global é uma consideração enorme, devido à pandemia, mas temos que seguir em frente e os Jogos são um evento esportivo mundial e todas as nações do mundo vão parar para ver e talvez por um momento não pensar sobre esta pandemia. Talvez todos possamos ter um pouco de alegria, sem falar nos atletas, que trabalharam a vida toda por este momento. As Olimpíadas são um sonho para toda a vida. Eu sei do que estou falando porque primeiro fui um atleta e depois tenho um aqui em casa que mal pode esperar para estar lá.  

Sobre o que vai acontecer? Hmm, os atletas estão fazendo um trabalho fantástico, um esforço enorme. Já existem muitos torneios até os Jogos e é claro que a preparação será diferente para todos os atletas, mas acho que isso não vai desanimá-los, mas sim dar-lhes ainda mais força para chegar lá, prontos para dar tudo para chegar ao pódio. Todos podem ganhar os Jogos, todos podem jogar pelo ippon em poucos segundos e todos estarão prontos, então de jeito nenhum apostaria em alguém. Até os japoneses, Ono, Abe Uta, acho que têm condições de vencer, mas o caminho não será nada fácil. A qualificação ainda não acabou, por isso ainda é cedo para as previsões. " 

Felizmente ainda temos Gabi. Ela pula na piscina com nomes e se errar, não importa porque é a beleza de tentar prever o futuro e, do que temos certeza, é que ela será precisa nas fotos. 

“Estou esperando para ver e pegar um judô muito legal nas minhas fotos. Como vi nas últimas provas, o judô está cada vez mais espetacular, com belos arremessos. Tenho certeza que teremos algumas surpresas e veremos alguns nomes inesperados no pódio. Espero ver Daria Bilodid no pódio e, claro, Teddy Riner com uma medalha de ouro. Estou realmente esperando para ver as seleções do Japão e da França na final do inédito evento de equipes mistas. Acho que será uma Olimpíada incrível, muito aguardada e com muitas medalhas para os atletas japoneses ”. 

Insistimos com a última pergunta, para ver se a sorte sorri para nós e Leandra vai citar um nome. A resposta é não, mas ainda é uma excelente resposta que resume tudo. 

Gabriela Sabau em ação

Quem você acha que vai te surpreender em Tóquio? 

Leandra é analítica, “Os Jogos Olímpicos são aquela competição especial, porque é o sonho da vida de muitos atletas, ou mesmo de todos eles. Acho que todos se destacam e dão aquele toque a mais que às vezes chega para vencer uma partida ou projetar o adversário para o ippon na hora certa. Nenhum erro é permitido lá. Então, olhos abertos durante os dias de judô, cada segundo vai contar, não importa de onde você veio, sua nação, quais resultados você teve antes. Se você está lá é porque tem a chance de se tornar campeão olímpico. Qualquer um pode vencer! " 

É o mesmo com Grace, como se eles tivessem concordado em nos deixar com fome. 

“O que acho que pode ser uma surpresa é a diversidade dos campeões olímpicos. Normalmente vemos um domínio japonês muito forte em todas as categorias, mas acho que a temporada passada nos mostrou a força do judô também em outros países, o que certamente representará um desafio para a equipe japonesa, mesmo em casa. " 

Como se não bastasse, verifica-se que Gabi também faz o mesmo. 

“Estou muito animada para ir a Tóquio e poder ir todos os dias ao local, assistir judô e no final do dia ser surpreendido pelo vencedor. Pra mim essa é a parte bonita do judô, o fato de todos terem oportunidades iguais e qualquer um pode te surpreender com uma medalha de ouro. Ficarei surpresa mesmo se os vencedores das últimas Olimpíadas vencerem novamente ou se novos nomes subirem ao pódio. Nomes, eu não poderia dar a vocês, pois eles são uma surpresa para mim no momento. " 

Talvez essa seja a lição magistral que Gabi, Leandra e Grace nos dão, saboreando o presente e curtindo o momento porque, no judô, tudo é surpreendente. 

Grace Goulding e Leandra Freitas

Por: Pedro Lasuen - Federação Internacional de Judô
Fotos: Gabriela Sabau

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Pesquisa personalizada