quarta-feira, 22 de setembro de 2021

Atleta olímpico capixaba Nacif Elias vem ao estado do Espírito Santo prestigiar a volta das competições de Judô e o projeto de inclusão de atletas com deficiência dentro do esporte


No último sábado (18), o atleta olímpico capixaba Nacif Elias foi prestigiar o evento de judô,  que aconteceu no ginásio de esportes Tancredo de Almeida Neves (Tancredão), e apoiar o projeto de inclusão de atletas com deficiência dentro do esporte.

Fiquei super feliz em voltar ao Espírito Santo e ver um evento todo organizado e de alto nível. Quero dar os parabéns ao presidente da federação espírito-santense de judô doutor Márcio Almeida, ao vice-presidente Félix Gomes e ao organizador de eventos Walcleydi; pelo excelente trabalho que eles têm feito frente à federação espírito-santense, dando oportunidade aos jovens, adultos e às crianças a praticarem um esporte, fazerem atividades. Estão mudando a história do judô capixaba. O judô capixaba por muitos anos ficou abandonado. E graças ao Sr. Márcio Almeida, está se alavancando. E tenho certeza que este trabalho em conjunto que iremos fazer, ajudaremos o alto rendimento capixaba, e em todas as esferas, crianças carentes, trabalho de inclusão de pessoas com qualquer tipo de deficiência física. O esporte é para incluir e ajudar! Então, é lindo de se ver este trabalho sendo efetuado no Espírito Santo, para que eles possam ter um futuro melhor e viverem felizes”, declarou Nacif Elias. 


O grande exemplo de inclusão de pessoas com deficiência no judô é de Reinaldo Ricardo Margon, que hoje atua como árbitro estadual. Em 2017, ele perdeu a perna direita, quando era faixa marrom de judô. Mas ele superou suas dificuldades e em 2018 tornou-se o primeiro faixa preta com deficiência do estado do Espírito Santo. E a partir de 2018, ele passou a atuar como árbitro regional capixaba. E em 2019, passou a ser árbitro estadual. Mas em 2021, por problemas ocasionados pela diabetes, ele precisou amputar a outra perna. Mas nem isso o fez parar:  

Fui atleta de competição na década de 90, em nível estadual, por amor ao esporte. Fiquei parado por alguns anos. Já com problema clínico de diabetes. Retornei ao judô por questão de saúde e de convívio no meio esportivo. Foi a melhor coisa que aconteceu na minha vida. Conviver com velhos e novos amigos. O judô vem abrindo portas, pois é um esporte de inclusão. Todos podem praticar judô! O que poderia ser um momento trágico em minha vida, ter depressão, e gerar outros problemas, pelo contrário, o judô me deu forças, contribui bastante na minha recuperação, superando às adversidades. Pouco mais de três meses de ter a perna amputada, eu já retornei aos treinos de judô, adaptando a parte técnica para o solo. Atuando como técnico, me apaixonei pela arbitragem durante o curso de faixa preta. Me sinto grato por participar dos eventos da Federação Espírito-Santense de Judô, como árbitro, no meio esportivo, todo o incentivo que recebo, vem das pessoas envolvidas no judô. Não tenho outro emprego, sou aposentado por invalidez, e em meio às dificuldades, tento levar a vida de uma maneira bem, alegre e superando a cada dia. O prazer é imenso participar da arbitragem capixaba! "

Mas pela deficiência das suas duas pernas, ele está impossibilitado de atuar como árbitro central, podendo ser árbitro apenas de mesa e lateral. Para que ele retorne a ser árbitro central, é necessário colocar as próteses nas duas pernas. Mas por falta de condições financeiras, ele não consegue. Se alguém puder ajudá-lo, só entrar em contato com a Federação Espírito-Santense de Judô pelo telefone: (27)3222-0713. 

E Reinaldo Margon conclui:  
Que o meu exemplo de vida e de superação venha motivar outras pessoas para praticar judô.” 

Por: Raquel Lima - Assessora de Imprensa

terça-feira, 21 de setembro de 2021

EJU: Retomada da Turnê Mundial da FIJ em Zagreb


O IJF World Tour está oficialmente de volta! Após os Jogos Olímpicos de Tóquio, esperamos ver os melhores atletas do mundo de volta ao tatame para continuar rumo a Paris 2024. 

No topo do ranking está Tato GRIGALASHVILI (GEO) que tinha grandes expectativas que o pesavam em Tóquio, o jovem de 21 anos provou ser um dos melhores na categoria até 81kg, mas simplesmente não era o seu dia. Ele está em primeiro lugar na lista do ranking mundial de peso e tem alguns anos para garantir sua posição de favorito. 

Juntando-se ao georgiano nas primeiras posições de semeadura estão Arman ADAMIAN (RUS), Astride GNETO (FRA), Victor STERPU (MDA), Audrey TCHEUMEO (FRA), Mammadali MEHDIYEV (AZE), Kaja KAJZER (SLO), Andrea STOJADINOV (SRB) e Andreja LESKI (SLO). 

2021 Medalha de prata mundial, Andreja LESKI (SLO).

Para Leski, esse ciclo pode muito bem ser sua hora de brilhar. Depois de viver na sombra da companheira de equipe campeã olímpica de 2016 e medalhista de prata olímpica de 2021, Tina TRSTENJAK, seu momento chegou. Já em terceiro lugar no ranking mundial, ela está em uma ótima posição para ser a próxima grande jogadora da seleção eslovena na categoria até -63kg. 

Quem merece atenção na seleção masculina russa é Makhmadbek MAKHMADBEKOV, de 21 anos, que se tornou campeão europeu junior em 2019, mas este ano voou para o topo do pódio no Grand Slam de Kazan. 

Makhmadbek MAKHMADBEKOV (RUS) (C) Emanuele DI FELICIANTONIO

Também veremos alguns dos vencedores do Sarajevo European Open competindo no palco maior, incluindo Amber GERSJES (NED), Ivo VERHORSTERT (NED), Kelly PETERSEN POLLARD (GBR), GOZ Roland (HUN), Emma REID (GBR), Marko KUMRIC (CRO) e Joseph TERHEC (FRA). 

2021 é um novo começo para este ciclo olímpico e veremos muitos nomes mais jovens avançando na hierarquia que poderiam ser potenciais em 2024. Assista a toda a ação ao vivo em live.ijf.org neste fim de semana.

Por: Thea Cowen - EJU

Vida e carreira de Daria Bilodid: A mais jovem bicampeã mundial


Em 2018, a ucraniana Daria Bilodid se tornou a mais jovem campeã mundial de judô na história do esporte, ganhando uma medalha de ouro com apenas 17 anos. Após sua segunda vitória no campeonato mundial em Tóquio, Daria se tornou um novo ícone nas artes marciais, incorporando a beleza e feminilidade do judô feminino. Os fãs da modalidade deram a ela o apelido apropriado de "Rainha do Judô".

Daria é treinada por seus pais: pai Gennady Bilodid e mãe Svetlana Kuznetsova. Sua mãe é a segunda em todas as largadas de Daria e lhe dá um beijo de boa sorte antes da luta. O pai de Daria é bicampeão europeu e medalhista mundial, então não é surpresa que Daria tenha decidido ligar sua vida ao judô desde a infância, inspirada no exemplo de seu pai (embora seus pais fossem contra no início).

Bilodid começou a mostrar bons resultados desde o início, competindo com sucesso entre os juniores menores de 21 já aos 15. Em 2015 Daria venceu os Campeonatos do Mundo e da Europa, e em 2017 passou para os adultos, vencendo o Campeonato da Europa em Varsóvia.

Em 2020, Daria se tornou uma das atletas com mais títulos em sua classe de peso: 2 medalhas de ouro mundiais e europeias e várias vitórias em torneios Grand Prix e Grand Slam.

O arsenal da bicampeã mundial mais jovem

A principal vantagem de Daria sobre suas rivais é a antropometria: seu peso é de apenas 48 kg, enquanto sua altura é de 172 centímetros. Para efeito de comparação, a altura da japonesa Funa Tonaki, com quem a ucraniana lutou na final do Campeonato Mundial em Baku, foi de 148 centímetros. Braços e pernas longos são as principais ferramentas na escolha das ações táticas de um atleta.

Esses benefícios vão ajudar a jovem judoca ucraniana em sua carreira e torná-la favorita em quase todas as lutas. 

No judô, assim como no futebol, basquete ou boxe, há uma variedade de táticas que combinam mais uns com os outros, graças aos dados antropológicos. No futebol, por exemplo, um jogador de 160 centímetros não pode jogar como zagueiro, enquanto no judô, um atleta de pernas curtas não pode dar um chute, parte do qual é um movimento de chute. Todos têm que usar seus pontos fortes e técnicas.

Em primeiro lugar, é importante notar que Daria é canhota. Os oponentes estão sempre desafiando os lutadores com a postura oposta. Devido à sua altura, a judoca ucraniana costuma se segurar por cima da faixa. Esses agarrões são bons porque colocam pressão nos ombros e nas costas do oponente e geralmente o fazem se curvar. A judoca ucraniana é uma especialista em solo e apelidada de Anaconda.

Não adianta falar sobre backhands ou underhooks porque eles são os elementos fundamentais de todas as técnicas. O queixo para cima é uma ferramenta para desequilibrar o oponente, enquanto o esticador é um movimento essencial para o arremesso. É com a dobra que quase todos os movimentos do judô começam. Mas a principal vantagem de Bilodid é que ela pode usar esses elementos sob a perna de apoio de seus oponentes. Tudo graças à sua postura canhota.

Todo o arsenal técnico do judô é dividido em vários grupos: técnicas de arremesso e técnicas de contenção. As técnicas de arremesso podem ser divididas em arremessos feitos em pé e arremessos feitos em uma posição de queda usando principalmente as mãos, pernas ou quadril e cintura. Daria prefere usar técnicas de arremesso baseadas no footwork. Mas não exclui o trabalho obrigatório das mãos e do corpo.

Vida fora do tatami

Fora dos esportes, Daria é uma menina modesta e sorridente. O sonho de Bilodid ao terminar a carreira é abrir uma confeitaria. Daria adora doces, mas só pode comprá-los fora da temporada porque ela tem que fazer dieta e manter o peso baixo mesmo entre as competições.

A judoca ucraniana é ativa no Instagram, postando fotos não só do treinamento, mas também da vida, onde frequentemente participa de vários photoshoots de moda para várias marcas e Bilodid é embaixadora da Mitsubishi.


FIJ: Judô celebra a paz


Todos os anos, desde 1981, a 21 de setembro, a comunidade internacional celebra o Dia Internacional da Paz, uma vez que foi declarado pela Assembleia Geral das Nações Unidas como um dia dedicado ao reforço dos ideais de paz, através da observância de 24 horas de não violência e cessar-fogo.


Em 2021, o tema do Dia Internacional da Paz é 'Recuperando-se melhor para um mundo justo e sustentável'.

Enquanto as comunidades ao redor do mundo se recuperam da pandemia COVID-19, a família do judô se junta à celebração para esperar um planeta melhor e mais seguro. Ao pensar de forma criativa e coletiva sobre como ajudar todos a se recuperar melhor, como construir resiliência e como transformar nosso mundo em um que seja mais igual, mais justo, equitativo, inclusivo, sustentável e saudável, podemos alcançar objetivos que ajudarão a todos nós.

A pandemia é conhecida por atingir com mais força os grupos desprivilegiados e marginalizados. As pessoas apanhadas em conflito são especialmente vulneráveis ​​em termos de falta de acesso a cuidados de saúde e sofrem de estigma, discriminação e ódio que se propagam desnecessariamente.


Por muitos anos, a Federação Internacional de Judo tem sido muito ativa na promoção da paz por meio de vários programas, incluindo Judo pela Paz, Judo para Refugiados, Judo para Crianças e Judo para Todos. Atividades extensivas estão ocorrendo em vários campos de refugiados (Zâmbia, Malawi, Turquia) e a IJF está apoiando ativamente a comunidade de refugiados por meio de programas educacionais (África do Sul) e esportivos com a equipe de refugiados que participou dos últimos Jogos Olímpicos, Tóquio 2020. Com a não discriminação sendo um valor fundamental do judô, nosso esporte tem a capacidade de reunir pessoas em torno de nosso código moral do judô para criar as condições de uma sociedade melhor.

Além da pandemia global e dos conflitos em diferentes regiões do mundo, a natureza também está em perigo. A ameaça de catástrofes ambientais pressiona toda a humanidade porque, apesar das restrições às viagens e paralisações econômicas, as mudanças climáticas não param. O judô tem o prazer de contribuir, a seu nível, para construir uma economia global mais sustentável que produza empregos, reduza as emissões e crie resiliência aos impactos no clima.

Assim, por ocasião do Dia Internacional da Paz de 2021, nos unimos aos esforços da família das Nações Unidas, pois nos concentramos em nos recuperarmos melhor para um mundo mais justo e pacífico e celebramos a paz nos levantando contra atos de ódio online e offline e espalhando compaixão, bondade e esperança.

Por: Nicolas Messner - Federação Internacional de Judô
Fotos: Nicolas Messner

segunda-feira, 20 de setembro de 2021

Brasil vai com oito novatos para o Grand Prix de Zagreb, primeira competição do judô pós-Tóquio

Matheus Takaki treina com Eric Takabatake, em Hamamatsu. Foto: Lara Monsores/CBJ

O Grand Prix de Zagreb, marcado para os dias 24, 25 e 26 de setembro, na Croácia, será a primeira competição do Circuito Mundial IJF pós-Tóquio a contar com judocas brasileiros. De olho nos novos nomes do judô nacional e na renovação da seleção principal, a Confederação Brasileira de Judô convocou oito atletas para esse Grand Prix, em sua maioria, judocas jovens que vêm das equipes Sub-21 e Sub-23.  

Nas chaves masculinas, o Brasil contará com Matheus Takaki (60kg), Michael Marcelino (73kg), Guilherme Schimidt (81kg) e Edu Lowgan Ramos (81kg). Já entre as mulheres, o país será representado por Natasha Ferreira (48kg), Yasmim Lima (52kg), Luana Carvalho (70kg) e Millena Silva (70kg).  

Dos oito convocados, quatro fizeram parte da equipe de apoio na preparação da equipe olímpica: Takaki, Schimidt, Yasmim e Luana, que viajaram ao Japão e deram suporte aos treinos da seleção em Hamamatsu.  

“A experiência como atleta de apoio da equipe olímpica foi incrível. Pude participar dos mesmos treinos que a seleção principal e eu precisava estar tão preparado quanto eles para que pudesse agregar valor aos treinos. Foi muito intenso e aproveitei cada minuto”, lembrou o ligeiro Matheus Takaki, estreante no Circuito Mundial Sênior. “Quando soube que seria convocado para lutar meu primeiro Grand Prix fiquei muito feliz e estou me sentindo confiante e com bastante vontade de ganhar títulos para Brasil, pois a corrida para classificação de Paris 2024 começa agora.”

"Ir pra Tóquio como apoio é como se tivesse uma chama olímpica dentro de mim e depois dessa experiência essa chama incendiou tudo aqui por dentro. Essa primeira competição pós-Olimpíada tem um significado muito forte, pois passei essa pandemia toda treinando muito. Mesmo quando tudo parou eu me reinventava e conseguia me manter treinando dentro dos protocolos. Estou muito feliz e motivada para começar essa corrida em busca da tão sonhada vaga em Paris 2024", projeta a meio-leve Yasmim Lima (52kg).

Grand Prix vale até 700 pontos no ranking mundial  

Na hierarquia das etapas do Circuito, os Grand Prix distribuem até 700 pontos (ouro) no ranking mundial, ficando atrás das etapas de Grand Slam (1000 pontos), do World Masters (1800 pontos) do Mundial (2000 pontos) e dos Jogos Olímpicos (2200).  

FIJ mantém protocolos de prevenção à Covid-19  

Desde que retomou as competições em outubro de 2020 no contexto da pandemia de Covid-19, a Federação Internacional de Judô adotou um rígido protocolo de segurança que será mantido para as próximas competições do Circuito, entre as quais, o Grand Prix de Zagreb. Continuam as exigências de quatros testes RT-PCR (2 pré-viagem e 2 na bolha) e o isolamento de todos os participantes da competição na “bolha” FIJ durante o evento. 

Convocação Seleção Brasileira de Judô - Grand Prix de Zagreb 2021

Nome: Matheus Takaki
Categoria: 60kg
Idade: 21 anos
Clube: Academia Espaço Marques Guiness
Federação: FEMEJU-DF
Principais resultados:
- Ouro no Campeonato Brasileiro Sub-21 2019
- Prata no Meeting Nacional Sub021 2020 

Nome: Michael Marcelino
Categoria: 73kg
Idade: 22 anos
Clube: SESI-SP
Federação: FPJUDO - SP
Principais resultados:
- Ouro no Open de Bariloche 2020 (73kg)
- Bronze no Mundial Júnior 2019 (66kg)
- Prata no Mundial Júnior 2018 (66kg)
- Prata no Mundial Juvenil 2015 (60kg) 

Nome: Guilherme Schimidt
Categoria: 81kg
Idade: 20 anos
Clube: Minas Tênis Clube - MG
Federação: FMJ - MG
Principais resultados:
- Ouro no Campeonato Pan-Americano Sênior 2021
- Bronze no Mundial Júnior 2019
- 7º no Grand Slam de Brasília 2019 

Nome: Edu Lowgan Ramos
Categoria: 81kg
Idade: 26 anos
Clube: Judô & Movimento - SE
Federação: FSJ - SE
Principais resultados:
- Bronze no Open de Buenos Aires 2018
- Bronze no Open de Lima 2018 

Nome: Natasha Ferreira
Categoria: 48kg
Idade: 22 anos
Clube: Sociedade Morgenau - PR
Federação: FPRJ
Principais resultados:
- Bronze no Campeonato Pan-Americano Júnior 2019
- Ouro no Campeonato Pan-Americano Juvenil 2016

Nome: Yasmim Lima
Categoria: 52kg
Idade: 24 anos
Clube: Instituto Reação - RJ
Federação: FJERJ - RJ
Principais resultados:
- Ouro no Open Pan-Americano Lima 2018
- Ouro no Campeonato Brasileiro Sênior 2018 e 2019

Nome: Luana Carvalho
Categoria: 70kg
Idade: 19 anos
Clube: UMBRA/Vasco - RJ
Federação: FJERJ - RJ
Principais resultados:
- Ouro no Campeonato Pan-Americano Júnior 2021
- Ouro no Campeonato Pan-Americano Juvenil 2019
- 7º lugar no Mundial Juvenil 2019

Nome: Millena Silva
Categoria: 70kg
Idade: 21 anos
Clube: Minas Tênis Clube - MG
Federação: FMJ - MG
Principais resultados:
- Vice-Campeã Mundial Juvenil 2017
- Prata no Meeting Nacional Sub-21 2020

Por: Assessoria de Imprensa da CBJ

Open Europeu de Judô: Petersen Pollard e Pietri Steal dão um show em Sarajevo


Os eventos Continental Open tendem a variar muito com o nível dos atletas, seja um jovem júnior ou até mesmo um cadete maduro testando as águas da piscina sênior ou retornando grandes nomes para reacender suas carreiras na esperança de um retorno à grande liga.

Acostumada ao sucesso como atleta júnior, Kelly PETERSEN POLLARD (GBR), de 22 anos, fez seu caminho para o circuito sênior e encontrou confortavelmente seu lugar no topo da categoria -70kg. Em 2019, ela se tornou a campeã europeia junior e conquistou consistentemente medalhas de ouro nos eventos da copa junior. Esta é agora a sua segunda vitória no Europeu sénior depois de Odivelas em 2020 e é simplesmente fantástico vê-la de volta e desfrutar da competição novamente. 

A atitude positiva de Petersen Pollard é sempre revigorante de se ver, sempre no ataque, mesmo jogando com uma abordagem tática, que continuou até sua última luta contra a companheira de equipe, a medalhista do Grand Prix Katie-Jemima YEATS-BROWN. 

Estou muito feliz com meu desempenho, minha preparação para esse próximo bloco de competição tem sido o melhor que posso nestes tempos, ir para a final contra um companheiro de equipe é sempre difícil, mas foi uma grande luta e muito bom ter dois ingleses na final! Estou ansioso para lutar em Zagreb e continuar a subir no ranking mundial.


Na outra extremidade do espectro está Loic PIETRI (FRA), de 31 anos. Você vai lutar para encontrar muitos que não conhecem o Campeão do Mundo de 2013, que também subiu ao pódio mundial consecutivamente nos dois anos seguintes. Embora ele não tenha cumprido seu sonho olímpico em 2016, ele não deve ser descartado ainda. 

É uma sensação boa, quando você passa por momentos difíceis, é bom ter uma vitória como essa. Meu judô estava bem, tive uma boa sensação e está tudo bem para mim, é uma boa forma de começar a temporada e espero que continue já que estou focado nos próximos eventos. Você sabe que é uma boa competição tirar um bom resultado para ajudar na minha confiança e praticar minha técnica, mas também, um nível engraçado porque se eu não levasse um bom resultado hoje, as pessoas diriam que estou feito, mas uma vitória, todo mundo pensa que isso é normal! [ele ri] Espero que minha federação reconheça isso e aprecie meu bom desempenho. 


Apesar de sua ausência não ser longa, ele estava competindo na categoria de -90kg e não estava feliz, seu judô não estava funcionando como na sua categoria de peso normal. Ele agora olha um pouco mais à frente, três anos para ser exato e está feliz com seu desempenho e trajetória. 

Claro, para muitos na França, o próximo grande destaque do ano será o Grand Slam de Paris e como Pietri não tinha sido selecionado, ele estava sentindo o peso disso na liderança até este fim de semana e admite que ficou chateado com isso mas, como todos vimos hoje, isso não afetou suas habilidades e ele fez seu trabalho.

Profissional experiente, conhece o jogo e entende que deve estar competindo muito no circuito para atingir seu objetivo, então ficará esperando para ver se a federação concorda com a demonstração de hoje e lhe dá as oportunidades, apesar das fato de que o novo pai começou sua preparação fora da França, conforme ele explica,

Foi um pouco difícil porque treinei no Brasil, no norte, mas todos me ajudaram e me apoiaram no clube da minha namorada e me sinto bem. 


Ainda há muito por vir nas próximas semanas, tanto no circuito IJF quanto no calendário EJU, então estaremos de olho novamente em muitos desses atletas e aspirantes olímpicos em potencial.

Por: EJU

FIJ: O show tem que continuar


Existe vida depois de Tóquio; os mais céticos não devem hibernar antes de 2024. Existe vida, uma boa, com um par de esteiras e muitos judogi, limpos e passados. Há uma capital dinâmica, Zagreb e um Grande Prêmio (24 a 26 de setembro). Há caras novas e mais conhecidas e também há campeões mundiais. Não adormeça porque o judô não descansa, ainda não.

Yago Abuladze em judogi branco

Os mais críticos sempre pensam que depois dos Jogos Olímpicos os melhores desaparecem do mapa para recarregar as baterias, assumem sucessos e fracassos e tudo mais. É verdade, mas não inteiramente, porque na galáxia do nosso esporte existem muitas estrelas e nem todas fazem o mesmo. Na Croácia, por exemplo, dois campeões mundiais, um homem e uma mulher, usarão pela primeira vez um judogi com o emblema vermelho que os credencia como novos campeões mundiais. 

Ele é Yago Abuladze, o prodígio da Federação Russa de Judô que, em Budapeste, conquistou o ouro de -60kg com autoridade e ofereceu um espetáculo em todas as suas lutas. Ele poderia ter ido para Tóquio, mas sua federação decidiu o contrário e talvez hoje eles se arrependam de não o terem levado. Já o levam para Zagreb e vale a pena ir ver este jovem de 23 anos porque o seu judô é felino, predatório, não passivo. Com ele a diversão é garantida, aconteça o que acontecer. Além de campeão mundial, é o número um do mundo, o que diz muito sobre o torneio croata, capaz de reunir figuras consagradas.  

Barbara Matic

A outra é Barbara Matic. Ela é croata e está em casa, o que significa apoio, mas também pressão. Em Budapeste, como Abuladze, Matic completou uma atuação magistral, com estamina épica incluída na final, para vencer e também assumir a liderança na categoria -70kg. Ser campeão e líder significa perseverança, ou seja, talento trabalhado diariamente. 

Há mais; há outro número um, que era favorito no Campeonato Mundial, mas caiu na final e novamente nas quartas de final em Tóquio. Ele é provavelmente o melhor com –81kg, mas falta um pouco de experiência e maturidade para ir até o fim ainda. Seu nome é Tato Grigalashvili e ele é um fenômeno do judô georgiano, com apenas 21 anos. Sempre ofensivo, com uma grande variedade de movimentos, estamos falando de um homem que, se focar no aspecto mental, pode reinar por alguns anos. Ele também estará na Croácia.  

Este é o trio que antecipa grandes feitos na Croácia. Eles estarão bem acompanhados, pois no judô nada é fácil. Haverá armênio Adamian, Andreja Leski, Mammadali Mehdiyev, Astride Gneto e Audrey Tcheumeo. Todos eles conquistaram torneios internacionais, até medalhas olímpicas. Eles são veteranos do World Judo Tour e estão armados para vencer em Zagreb.  

Tato Grigalashvili em judogi azul

Aí aparecem e isso é sempre interessante: jovens e não tão jovens que procuram um lugar no emaranhado de campeões. São mais anônimos, com menos viagens e muito menos glórias, mas aguardam o momento, uma oportunidade de mostrar que também têm direito aos holofotes. São quase trezentos e eles anseiam por sua própria batalha das Termópilas. Sucessos ou não, a verdade é que os vencedores terão que seguir por aí, um caminho sempre estreito que leva à vitória. 

Fotos: Gabriela Sabau

ICI: Atitude busca tirar indivíduo da zona de conforto. Confira!

Este vídeo introduz a ATITUDE, que estabelece uma abordagem não conformista para a resolução de problemas e busca tirar o indivíduo da sua zona de conforto. Para demonstrar as contribuições dessa competência, apresentamos o depoimento de Marilia Rocca, CEO da Hinode e praticante de enduro equestre, cuja trajetória é detalhada na obra "Jornadas Heroicas".

Adquira seu livro na Amazon, ou nas melhores livrarias ou ainda mande email para contato@icijudo.com.br

Por: ASCOM ICI


domingo, 19 de setembro de 2021

Federação Romena de Judô aposta na transferência surpresa de Asley Gonzalez


Haverá uma entrada espetacular no Grande Prêmio de Zagreb. Um campeão mundial que você não esperava mais. Pelo menos não para a Romênia, que nunca celebrou um campeão mundial, mas agora eles têm um. A espetacular troca de país do ex-campeão mundial cubano Asley Gonzalez que adquiriu a cidadania romena. Ele é imediatamente adicionado à equipe do Grande Prêmio de Zagreb, o primeiro evento do IJF World Tour desde os Jogos Olímpicos de Tóquio.

Com três participantes nos Jogos Olímpicos, a Romênia não poderia torcer muito alto com apenas cinco lutas para os participantes Andreea Chitu U52kg, o valente Alexandru Raicu lutando U73kg e o peso pesado Vladut Simionescu que sobreviveu uma rodada, mas perdeu sua segunda disputa olímpica.

Ajuda do Ministério da Juventude e Esportes

É um privilégio ver o ex-judoca cubano Asley Gonzalez, campeão mundial de judô de 2013, na equipe do evento de grande sucesso da Croácia. Definitivamente, uma mudança de país interessante para o lutador cubano, possibilitada pela Federação Romena de Judô. Por meio do Ministério da Juventude e Esportes, a Federação fez um pedido de cidadania de Gonzalez, que foi resolvido por uma Decisão do Governo. Em 9 de agosto, Asley Gonzalez fez o juramento de fidelidade.

Amizade com Vlad Visan

Gonzalez representou Cuba nas principais competições internacionais de judô. Ele conquistou o título mundial no Rio de Janeiro em 2013, na categoria peso U90. Ele é um tricampeão olímpico, tendo conquistado a medalha de prata nos Jogos Olímpicos de Londres em 2012. Ele também competiu nos Jogos Olímpicos de Pequim em 2008 e no Rio de Janeiro em 2016. Gonzalez agora espera por uma chance para os Jogos Olímpicos de Paris em três anos. Gonzalez solicitou a cidadania porque seu amigo é o judoca Vlad Visan , ex-campeão romeno e vencedor de três medalhas na Copa do Mundo.

Vindo de um ex-país comunista, as chances não são tão fáceis para ele no esporte, com muitas restrições, enquanto o romeno poderia lhe oferecer chances de competir na categoria U100kg. Gonzalez é casado e espera trazer sua família para Bucareste. Com o apoio financeiro do estado, Gonzalez terá chances de competir no IJF World Tour e conquistar sucessos para a Romênia.

De volta ao nível mundial

A última vez que Asley Gonzalez competiu em nível mundial foi no Campeonato Mundial de Judô 2018 em Baku, onde ficou em sétimo lugar no torneio individual e competiu pela seleção cubana no evento de equipes mistas com a forte mistura de homens e mulheres em seu país. Devido à sua amizade, o ex-Campeão do Mundo já esteve na Romênia várias vezes e competiu no Aberto da Europa em Cluj Napoca, onde conquistou a medalha de prata na categoria U90kg. Ele também veio treinar com a equipe em Oradea, onde desfrutou da hospitalidade e da amizade romena.

Reputação de Gonzalez

Gonzalez ganhou 10 quilos e tem uma reputação de mais de uma década. Ele foi um grande talento na categoria U81kg em 2007 e conseguiu se classificar para os Jogos Olímpicos de Pequim U90kg, onde estreou com duas derrotas. No entanto, em Londres, ele chegou à final depois de derrotar o favorito russo Kiril Denisov na semifinal e acabou perdendo para o coreano Dae-Nam Song, que estava em boa forma em Londres. Quatro anos depois, no Rio Gonzalez, venceu suas duas primeiras competições, mas foi derrotado pelo forte lutador mongol Otgonbaatar Lkhagvasuren. Gonzalez foi o número um do mundo em 2013 e 2014. Antes mesmo de conquistar o título mundial no Rio de Janeiro já havia escalado a liderança da categoria U90kgs. Em 2011, ele conquistou a medalha de bronze no Mundial de Paris e conquistou vitórias na Copa do Mundo de São Paulo e na Copa do Mundo de Miami até duas vezes antes de levar o ouro mundial na final contra o Varlam Liparteliani. No total, ele competiu seis vezes em campeonatos mundiais. Sua última grande vitória foi no Grande Prêmio de La Havana, onde derrotou Krisztian Toth, o atual medalhista de bronze olímpico de Tóquio. Gonzalez está pronto para o início de sua última aventura, talvez em Paris em 2024 e uma vida europeia na Romênia.

Foto: Paco Lozano

Grand Prix Zagreb de Judô é pura promoção de talentos


De 24 a 26 de setembro, Zagreb é o coração de judô do mundo, organizando os oito Grandes Prêmios na Croácia, sete vezes na capital croata, a primeira edição em 2013 foi realizada em Rijeka. Zagreb é a primeira oportunidade para muitos atletas mostrarem suas capacidades e ambições desde os Jogos Olímpicos de Tóquio.

A Croácia é uma nação orgulhosa, conhecida por seus atletas em muitos esportes como futebol, esqui alpino, pólo aquático, basquete, tênis de mesa, tênis, handebol e, claro, judô. Com a primeira campeã mundial Barbara Matic, a Federação Croata de Judô é uma contribuidora orgulhosa dos esportes croatas e a famosa Barbi é a expoente dos melhores atletas da Croácia em todos os esportes, eleita a mulher do esporte do ano, antes mesmo de seu título mundial no ano passado em Budapeste.

Barbi está de volta
Os croatas podem comemorar e mostraram o que querem dizer depois que Matic voltou com a medalha de ouro e encheu as ruas de uma mistura de alegria, lágrimas e fogos de artifício. O fogo-de-artifício é a ambição dos croatas no Grande Prémio de Dom Sportova, onde muitos atletas de topo têm conquistado medalhas essenciais para impulsionar as suas carreiras. A campeã olímpica de 2016, Tina Trstenjak, conquistou até três títulos em Zagreb. Sua compatriota e medalhista olímpica de 2016 Ana Velensek chegou a ser coroada quatro vezes. Os eslovenos lutam como boxeadores, eles sempre dão duro, são condicionalmente fortes e fariam bem nas probabilidades de boxe, mas sempre respeitam os adversários e sempre atuam como você espera.

Medalha de bronze olímpica em Tóquio Toth Krisztian parece um boxeador, mas é cool, calculista e sabe quando levar as medalhas essenciais. Ele também conquistou o bronze mundial em casa em Budapeste e conquistou o título de Zagreb até três vezes. A lista dos principais atletas inclui os campeões olímpicos de Tóquio em 2020 Akira Sone, Takanori Nagase, Naohisa Takato, Hamada Shori, Teddy Riner (equipe de ouro) e contém muitos medalhistas do evento blockbuster deste ano: Toth, Trstenjak, Lasha Shavdatuashvili, Niyaz Ilyasov, Guram Tushishvili, Daria Bilodid, Madeleine Malonga e a campeã mundial Jessica Klimkait. Falando em campeãs mundiais, Barbara Matic certamente estará presente e está na lista de titulares até o momento. Para Matic foi um período de loucura para ela com todas as atenções após o título mundial e as Olimpíadas onde perdeu a disputa pelo bronze e terminou em quinto lugar na categoria U70kg. Para os atletas de ponta, este é um período de descontração e preparação para a próxima qualificação olímpica para Paris em 2024, que começa no início do próximo ano, mas Matic é uma mulher orgulhosa, que gostaria de mostrar o seu melhor em Zagreb.

Nova geração de judô na Croácia
Matic está brilhando no último vídeo promocionalda Federação Internacional de Judô com sua irmã Brigita Matic que também foi campeã mundial júnior, assim como Bárbara, 14 meses mais velha. Essa geração foi a base das pérolas da Croácia, liderada principalmente por mulheres que deram o tom internacionalmente. Uma geração jovem que começou a ganhar medalhas na última década e também como equipe colecionou muitos sucessos como o bronze por equipe no Mundial de Juniores (2013) e um título Europeu com os Juniores da Croácia, sempre incluindo Barbara Matic. A equipe inspirou uma nova geração de judocas cadetes que agora também atingiram o nível sênior e incluíram estrelas do judô atuais como Karla Prodan, Lara Cvjetko, Iva Oberan e Tihea Topolovec, todos jovens que chegaram às escadas de judô de atletas famosos em Croácia.

A campeã olímpica juvenil (por equipes) Ana Viktorija Puljiz estará no grid de largada U52kg. Ela ganhou o título europeu de cadetes há quatro anos e agora está pronta para sentir a água do banho no nível sênior mundial. Tena Sikic é da geração das irmãs Matic e está de volta a este nível lutando U57kg. Definitivamente, Iva Oberan está lutando pela medalha U63kg. Ela ganhou o Aberto da Europa em Zagreb este ano. O peso U70kg é a categoria a se olhar com Barbara Matic e Lara Cvjetko alinhadas. Também Cvjetko venceu um evento do European Open em Praga este ano e ela estava perto de uma medalha europeia em Lisboa em abril. Recentemente esteve na final do Campeonato da Europa de Juniores, mostrando o quão jovem é esta nova geração.

No domingo, Karla Prodan é quem deve estar atento. Ela se catapultou para o topo do mundo U78kg e ganhou uma medalha europeia no ano passado em Praga e ainda foi capaz de competir nos Jogos Olímpicos como jovem de 23 anos. Este se tornará seu ciclo olímpico para dominar e levar as medalhas nesta categoria muito competitiva com mulheres fisicamente fortes e altas e atléticas. Outra atleta croata se classificou para os Jogos Olímpicos de Tóquio, a pesada Ivana Maranic. Ela vai competir em Zagreb ao lado de Helena Vukovic, outro super talento.

Não apenas as mulheres poderosas da Croácia lutarão por medalhas, talvez possamos ver os irmãos Kumric em ação quando se trata das lutas por medalhas. Zlatko e Marko Kumric podem mostrar o seu melhor com este campo limitado de aprox. 300 participantes. Dominik Druzeta é talvez o melhor homem da Croácia no momento, ele vai lutar no peso competitivo até 81kg. A Croácia está pronta para o Grande Prêmio e recebe alguns dos melhores atletas, como Tato Grigalashvili (GEO), Arman Adamian (RUS), Audrey Tcheumeo (FRA) e o retorno de Andrea Stojadinov da Sérvia U48kg (U48kg). Tradicionalmente, uma forte equipe eslovena com Andreja Leski e Kaja Kajzer. Logo a ação começa na sua tela ao vivo de Zagreb.


sábado, 18 de setembro de 2021

Argentina Paula Pareto completa sua missão no judô e se aposenta


Com a sétima colocação nos Jogos Olímpicos de Tóquio e muitos desafios para o futuro, a argentina campeã olímpica de 2016 Paula Pareto se despede de sua carreira no judô. 
Ela venceu sua primeira luta, mas perdeu para Funa Tonaki e Catarina Costa pela chance de outra luta por medalhas.

Pareto foi a primeira campeã olímpica em um esporte individual pela Argentina. Paula Pareto, hoje com 35 anos, anunciou que encerrará a carreira "em paz e sossego". Medalha de bronze em Pequim em 2008, campeã mundial em 2015, prata em 2014 e bronze em 2018, médica, disse que chegou o dia.

Pareto aproveitou seus últimos meses no judô após a crise da coroa, apesar de todos os desafios que conhece tão bem. Contra o IJF disse: “Não posso reclamar. Todos queríamos voltar à concorrência e as medidas sanitárias são o pedágio que temos de pagar. Parece-me que as coisas vão bem e todos respeitamos as condições impostas porque é o que atende as necessidades da situação. Eu digo isso como médica, não como judoca. ”

“Foi muito bom rever os meus colegas, principalmente os que estavam doentes. Este é um esporte muito difícil e estamos vivendo o período mais difícil; tem um grande custo. Por isso competir é a nossa recompensa e, no fundo, o protocolo de segurança é imprescindível porque nos permite fazer o nosso trabalho. ”

Quando voltou, no ano passado, ela perdeu para a última campeã olímpica, sua sucessora de Kosovo, Distria Krasniqi, na final em Budapeste. Também no Masters da IJF em janeiro ela lutou com as melhores como Munkhbat e Tonaki. A maioria de suas lutas em sua carreira, entretanto, ela lutou contra rivais sul-americanos, como Dayaris Mestre Alvarez, Sarah Menezes, Edna Carillo, Nathalia Brigida e Luz Alvarez. Mesmo assim ela se mostrou a mais forte por muito tempo e a segunda sul-americana depois de Sarah Menezes a conquistar o título olímpico. Agora que sua missão está cumprida, novas metas podem ser definidas.

Por: JudoInside


Aberto da Europa de Sarajevo: Verhorstert coloca um selo de ouro na carreira sênior


Foi um brilhante primeiro dia do Aberto da Europa de Sarajevo para a seleção francesa, que levou duas medalhas de ouro, cinco de prata e cinco de bronze após algumas atuações impressionantes, mas roubando os holofotes estava um dos dois medalhistas de ouro da Holanda, de 20 anos Ivo VERHORSTERT. 

Desde que começou como atleta cadete de -55kg, conquistando medalhas de bronze na Copa da Europa em 2016, ele foi reconhecido como um talento para olhar para o futuro. Verhorstert fez a transição para o nível júnior confortavelmente na categoria de -60kg, levando várias medalhas, incluindo ouro em Coimbra, Gdynia e Lignano.

Ele tentou a sorte no Campeonato Europeu de Juniores de 2018 em Sofia, mas por pouco perdeu o bronze e, por sorte, o mesmo aconteceu em 2019 e 2020, mas com peso de -66kg. Certamente foi um período de adaptação para ele, encontrando estabilidade em uma nova categoria e com judocas mais experientes, mas no nível sênior parece estar se encaixando melhor. 

Verhorstert garantiu o bronze no aberto continental sênior em Praga este ano.

Às vezes acontece que o judoca que parece ter um sentimento natural pelo judô pode competir melhor quando se depara com outro judoca de nível superior que pode reagir da maneira correta, tornando as ações muito mais agradáveis ​​de assistir. 

Ele teve um início lento contra o francês Orlando CAZORLA, e um waza ari com pontuação de ouro o colocou no segundo turno. Após esse aquecimento, cada uma dessas competições foi vencida por ippon. A segunda rodada, as quartas de final e a semifinal foram vitórias muito convincentes nos primeiros 35 segundos da competição, mas seu oponente final realmente o testou. 

Mais uma vez, foram os franceses que o reclamaram na forma de Robin CORRADO. Foi Corrado quem colocou o primeiro placar no tabuleiro e atrapalhou a glória holandesa, mas um tani otoshi devastador foi a chave para o ouro, usando sua altura a seu favor. 

Eu estava esperando por isso, antes da partida, pensei que poderia ser um lance que eu poderia fazer, mas esperei um minuto antes de tentar. Ele marcou primeiro com ko uchi, então achei melhor fazer isso agora, caso ele marque de novo!

Maarten van Liempd

Na cadeira do treinador estava Maarten van Liempd e ele tinha isso a dizer sobre o desempenho cegante de Verhorstert no primeiro dia.

Foi um começo um pouco difícil, à medida que o torneio continuava ele ficava cada vez melhor e se tornava o torneio, o waza ari na final estava um pouco atrasado, mas ele terminou lindamente com um bom lançamento, e agora seus olhos estão no GP de Zagreb.

Agora, para ir junto com suas medalhas de bronze sênior no Aberto da Europa em Varsóvia 2020 e Praga 2021, ele pode somar um ouro impressionante. 

Verhorstert não estava completamente satisfeito com sua preparação, então não tinha expectativas para o evento, tendo perdido os campos de treinamento com os melhores atletas do circuito da IJF nos últimos anos, mas ele está de volta e ansioso para ir, com o O Grande Prémio de Zagreb é o próximo da sua agenda. 

Por: Thea Cowen - European Judo Union

FIJ: O poder da educação e instrução


Laurent Petrynka é um homem muito ocupado durante esses dias em Belgrado, onde os ISF u15 World School Sport Games 2021 estão ocorrendo. O presidente da Federação Internacional de Esporte Escolar, com quem a Federação Internacional de Judô mantém uma forte parceria, explicou a força do acordo entre as duas organizações.

Laurent Petrynka

“A IJF foi uma das primeiras federações internacionais com a qual assinamos um MoU há vários anos e isso subsequentemente nos deu muitas ideias para o desenvolvimento. Por meio de todos os nossos intercâmbios, exploramos e colocamos estratégias em ação em muitos setores e estamos sempre muito felizes para poder fortalecer nossa cooperação.

Tudo começou com uma reunião com o presidente Marius Vizer. Nós imediatamente compartilhamos uma visão comum para o esporte e uma comunidade de simpatia. Qualquer projeto de desenvolvimento depende, acima de tudo, de pessoas e posso dizer que Marius Vizer dá vontade de trabalhar com ele.

A ISF é uma federação multiesportiva e, portanto, é importante que cheguemos o mais perto possível dos padrões internacionais decretados pela IJF. Não devemos reinventar as regras do esporte. Por se tratar de um público escolar, adaptamo-nos a este contexto, mas a cooperação com a federação internacional é fundamental para garantir a dimensão técnica do desporto.

Para além deste aspecto técnico, estamos também muito satisfeitos por podermos cooperar no domínio da formação de treinadores, atletas e árbitros. Estas não são tarefas fáceis de implementar, mas mais uma vez o apoio da IJF é muito importante.

ISF u15 World School Sport Games 2021

Outra área que nos é cara é a da comunicação institucional e das relações com os países membros. Por vários anos, temos trabalhado em estreita colaboração com a IJF para aumentar a presença do esporte escolar em todo o mundo, como na Europa Oriental, Ásia e Oriente Médio. Tenho que admitir que a rede de esportes de combate e o judô em particular são muito eficazes. ”

Durante os Jogos Esportivos Escolares Mundiais ISF u15 de 2021, também foi organizado um fórum sobre o tema 'Esporte Escolar - o trampolim para um estilo de vida saudável', no qual a IJF participou ativamente. Laurent Petrynka aproveitou para voltar à importância de tal evento, “Estamos convencidos de que o esporte escolar carrega em seus genes a dupla mensagem do esporte e da educação. Quando reunimos personalidades de diferentes horizontes, como foi o caso de Belgrado , isso nos permite enviar uma mensagem comum e reforçar a ideia de que fazemos o mesmo trabalho, o de educar nossos filhos.

O fórum é um momento de troca e cultura de alto nível. Isso nos permite desenvolver ainda mais a presença do esporte na escola. Todo mundo ganha. "

Ainda existem muitos caminhos que o Presidente Petrynka deseja explorar, "Queremos continuar a trabalhar com a IJF na participação e envolvimento das federações escolares nacionais, bem como nas nossas relações com as federações nacionais. A África é uma área geográfica na qual também estão trabalhando muito. "

Todos esses grandes projetos e essa colaboração positiva são baseados em uma análise detalhada da situação. “Quando se pensa na escola, é comumente aceito que ela deve contribuir para a formação dos futuros cidadãos. Para isso, ela se baseia em dois grandes conceitos, que são a instrução e a educação.

Por meio da instrução, temos a oportunidade de desenvolver habilidades como ler, escrever e saber contar. Por meio da educação, reforçamos valores, aprimoramos o comportamento e o respeito pelos outros. Na ISF, estamos convencidos de que o esporte tem um papel a desempenhar e deve desempenhar um papel em ambos os setores. Através da instrução desportiva, desenvolvemos competências técnicas fundamentais entre as quais encontramos o saber lançar ou correr. Graças à educação pelo esporte, otimizamos comportamentos, abordamos a alteridade e tocamos uma dimensão humana necessária para viver em sociedade.

Vanja Udovicic, Ministra da Juventude e Esportes da Sérvia durante a 
abertura do Fórum ISF

O desporto cria hábitos de vida ligados ao combate à obesidade ou ao sedentarismo e permite a constituição de elementos de saúde sustentáveis. O esporte permite aprimorar campos inteiros da inteligência individual e coletiva, para desenvolver positivamente uma dimensão efetiva. Sempre fico surpreso ao ver nos esportes de combate principalmente, a capacidade de dois atletas de lutar e no minuto seguinte serem os melhores amigos do mundo. É uma grande prova da inteligência incentivada pelo esporte. ”

Seria possível continuar conversando com Laurent Petrynka por horas; seu conhecimento do esporte e principalmente do esporte escolar é enciclopédico, mas ele já é convocado para outras reuniões. O certo é que a cooperação entre a ISF e a IJF é frutífera e promove uma visão de um futuro brilhante para milhões de crianças em idade escolar.

Por: Nicolas Messner - Federação Internacional de Judô

CBJ divulga o Guia Antidoping para Atletas. Confira!


Após divulgar a Política Antidoping, reafirmando o compromisso da Confederação Brasileira de Judô (CBJ) com o Código Mundial Antidoping (Código), Código Brasileiro Antidopagem (CBA) e sua cooperação com a Agência Mundial Antidoping (WADA), a Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem (ABCD), Comitê Olímpico do Brasil (COB) e órgãos da Justiça Desportiva Antidopagem (JAD) na erradicação do doping no esporte, a entidade divulga agora o Guia Antidoping para Atletas.

Os Programas de Prevenção ao Doping no Esporte buscam preservar os valores intrínsecos do
esporte, o conjunto desses valores é o que chamamos “espírito esportivo”. Esta é a essência do
Olimpismo, perseguir a excelência do homem através da dedicação à perfeição do talento natural de cada Pessoa. Assim o "espírito do esporte” é colocado em prática. O espírito esportivo é a celebração do espírito humano, do corpo e da mente. É a essência do olimpismo e se reflete em valores que encontrados no esporte, que inclui:

• saúde;
• ética, jogo limpo e honestidade;
• direitos dos atletas, conforme estão previstos no Código;
• excelência no desempenho;
• caráter e educação;
• diversão e alegria;
• trabalho em equipe;
• dedicação e compromisso;
• respeito às regras e leis;
• respeito por si próprio e pelos outros participantes;
• coragem;
• comunidade e solidariedade.

O espírito esportivo se expressa quando se compete de forma limpa a dopagem é, em sua essência, contrária ao espírito esportivo. 

Clique aqui e confira o Guia Antidoping da CBJ.

Por: Assessoria de Imprensa da CBJ

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Pesquisa personalizada