quarta-feira, 23 de setembro de 2015

Segundo dia do Mundial de Veteranos Amsterdã 2015 tem quatro brasileiros no pódio


Os Veteranos do judô brasileiro seguem fazendo bonito no Mundial Amsterdã 2015. Depois de três medalhas na abertura da competição, nesta terça, 22 de setembro, dia de disputas das categorias M1 para atletas de 30 a 34 anos e M3 para judocas de 40 e 44 anos, outros quatro brasileiros chegaram ao pódio. Ouro para Gleyson Ribeiro Alves (M3, 60kg); pratas para Cesar Rocha (M3, 73kg) e Élton Fiebig (M3, +100kg), prata; e bronze para Denison Soldani Santos (M3, 90kg) que só foi parado pela lenda do judô holandês Mark Huizinga.

A campanha de Gleyson Ribeiro Alves (M3, 60kg) pode ser definida como irrepreensível. O ligeiro de 42 anos de Minas Gerais venceu todas as suas três lutas com a pontuação máxima: ippons sobre o russo Timur Gioev, sobre o francês Salomon Laniba e sobre o italiano Andrei Marco.


Numa categoria com 31 competidores, Cesar Oliveira da Rocha (M3, 73kg) se destacou como carrasco de franceses. O primeiro - Mickael Bernardin - foi derrotado logo na estreia por wazari. Na sequencia, ippon sobre o único adversário que não nasceu na França, o espanhol Daniel Diaz Vila. Nas quartas-de-final, a vítima foi Frederic Dallon, derrotado por ippon. Na semifinal, vitória por yuko sobre outro francês, Cyrill Cuvillier. Na luta pelo ouro, o também francês Fabrice Picco levou a melhor e venceu Cesar na diferença de punições.


O pesado Élton Fiebig (M3, +100kg), bicampeão mundial de Veteranos, dessa vez, ficou na segunda colocação. O caminho de Fiebig até a prata teve quatro lutas. Vitória sobre o alemão Thomas Freese na diferença de punições, sobre o francês Christophe Fouache por ippon e contra o russo Andrey Botikov também por ter sido menos punido. Na decisão, contra o russo Grigory Garyants uma luta muita dura que acabou definida com uma punição ao brasileiro no golden score. 


Já Denison Soldani Santos (M3, 90kg) ficou com o bronze mas tem muito o que comemorar já que venceu cinco das seis lutas que fez no Mundial por ippon. A única derrota foi nas quartas-de-final para o holandês Mark Huizinga, campeão olímpico em Sydney 2000 e medalhista de bronze nos Jogos Atlanta 1996 e Atenas 2004 e no Mundial do Cairo em 2005, além de ser pentacampeão europeu. E o brasileiro vendeu caro a derrota perdendo apenas na diferença de punições. Começou com vitórias por ippon sobre o francês Franck Chaize e o austríaco Holger Hanbauer. Na repescagem, mais três ippons sobre o monegasco Thierry Vatrican, o francês Yannick Maese e, na decisão do bronze, contra o holandês Jeroen Leterrie.

O Brasil ainda teve outro atleta na disputa por medalhas mas Kleber Terceiro Soares (M1, +100kg) acabou na quinta colocação. Os outros brasileiros que lutaram no dia foram Argeu Cardoso da Silva (M1, 60kg), Victor Bezerra Gomes (M1, 73kg), Ricardo Gonçalves (M1, 81kg), Leandro da Silva Serrador (M1, 100kg), Carlos da Luz Ferreira (M3, 81kg), João Marcelo Brazão Protázio (M3, 81kg), Jairo Santos de Queiroz (M3, 81kg), Helber Borges de Moura (M3, 81kg), Anderson dos Santos (M3, 90kg) e Adalberto Correa Júnior (M3, +100kg).

Por: Assessoria de imprensa da CBJ

3 comentários:

  1. Soh erraram o meu nome: Joao Marcelo Braxao Protázio 😊 !!! PS: Todos os atletas brasileiros estao de parabens.

    ResponderExcluir
  2. O meu nome correto é João Marcelo Brazão Protázio !!! :)

    ResponderExcluir
  3. Senhor editor, faltou o senhor destacar na sua reportagem que este foi o sétimo título mundial conquistados pelo Judoca Gleyson Ribeiro Alves.... WAM

    ResponderExcluir

Gostou da matéria? Deixe um comentário!
Aproveite e seja um membro deste grupo, siga-nos e acompanhe o judô diariamente!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Pesquisa personalizada